‘Jornalista saudita foi desmembrado após estrangulamento’, diz procurador-chefe em Istambul

  • Por Jovem Pan
  • 31/10/2018 12h44
EFEComunicado põe em xeque teoria de tortura antes do assassinato

O assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi dentro do consulado da Arábia Saudita na Turquia continua ganhando novos contornos. Dessa vez, a nova informação veio do gabinete do procurador-chefe em Istambul. “O corpo da vítima foi desmembrado e destruído após sua morte por sufocamento”, diz o texto.

“De acordo com planos feitos com antecedência, a vítima Jamal Khashoggi foi sufocada até a morte imediatamente após entrar no Consulado Geral da Arábia Saudita em Istambul em 2 de outubro de 2018”, garante o comunicado.

Resta saber agora como fica a investigação que dava conta de tortura contra o jornalista crítico da família real saudita. Com a afirmação do gabinete, está teoria entra em xeque.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, continua em campanha para convencer as autoridades da Arábia Saudita de entregarem os 18 suspeitos de envolvimento no assassinato. Para ele, o caso será melhor investigado e julgado na Turquia.