Juíza britânica rejeita pedido de liberdade condicional para Julian Assange

A defesa de Assange, que está na penitenciária de Londres, pedia liberdade alegando o frágil estado de saúde e o risco de morte em caso de infecção por coronavírus

  • Por Jovem Pan
  • 25/03/2020 15h49
EFEJulian Assange

A juíza Vanessa Baraitser, da corte de magistrados de Westminster, no Reino Unido, rejeitou nesta quarta-feira (25) o pedido de liberdade condicional para o ativista Julian Assange, que está preso em uma penitenciária de Londres.

A defesa do australiano solicitou que, diante do estado frágil de saúde do cliente, existe risco de morte em caso de infecção pelo novo coronavírus no presídio de Belmarsh.

O pedido da libertação acontece no meio da segunda fase do julgamento do pedido de extradição feito pelos Estados Unidos, que está marcado para acontecer em maio, e foi feito após o governo britânico indicar a possibilidade de soltar presos de baixa periculosidade, para reduzir o contágio em locais de detenção.

Na decisão sobre Assange, a juíza afirmou não existir razão para duvidar da eficácia das medidas adotadas pelo presídio de Belmarsh para combater a propagação do coronavírus, e que o ativista não é o único preso vulnerável.

O promotor Clair Dobbin, em representação feita pela justiça dos EUA, havia argumentado que existia risco de fuga, por isso, não seria indicado aceitar o pedido de libertação de Assange.

Assange, teve prisão decretada em 2010 no Reino Unido a pedido da Suécia, sob a acusação de crime sexual – que já está arquivado -, passou os últimos dez anos confinado, primeiro em prisão domiciliar e depois na embaixada do Equador em Londres, até o governo sul-americano retirar o status dele de refugiado, em 2019.

*Com informações da EFE