Macron decide abrir mão de benefícios concedidos a ex-presidentes

  • Por Jovem Pan
  • 22/12/2019 09h19
EFEA reforma da Previdência de Macron quer acabar com os 42 regimes atuais em vigor na França e fundi-los em um único sistema

O presidente da França, Emmanuel Macron, decidiu abrir mão da aposentadoria à qual teria direito depois do término de seu mandato e também informou que não será integrante do Conselho Constitucional do país.

O anúncio foi feito neste domingo (22) pelo governo da França. Com a decisão, Macron rejeita assim o benefício previsto em uma lei de 1955 que determina que os ex-presidentes do país recebam de forma vitalícia um salário equivalente ao de um conselheiro estatal. Hoje, o valor é de 6.220 euros (R$ 28,3 mil) brutos por mês.

Macron, que ontem completou 42 anos, quer que a lei deixe de valer para todos os futuros presidentes da França. Ele quer incluir a si próprio e seus sucessores na reforma da Previdência que está sendo negociada no Congresso e é alvo de protestos por parte da oposição e dos principais sindicatos do país.

“É uma questão de exemplo e coerência”, disse o Palácio do Eliseu em comunicado para explicar a decisão de Macron.

O atual presidente também não será membro do Conselho Constitucional quando deixar o cargo. Como integrantes do órgão, os ex-presidentes têm o direito de receber 13,5 mil euros (R$ 61,3 mil) mensais.

O antecessor de Macron, François Hollande, também recusou ser membro do conselho. Nicolas Sarkozy fez parte do órgão até 2013, quando o Conselho Constitucional rejeitou as contas apresentadas por ele na campanha eleitoral do ano anterior.

A reforma da Previdência de Macron quer acabar com os 42 regimes atuais em vigor na França e fundi-los em um único sistema. No entanto, a proposta é vista com muita reticência por grande parte da população – que organizou protestos e greves contra o governo.

O sistema de transportes está parcialmente parado desde o dia 5 de dezembro. Sem acordo com os sindicatos, as greves serão mantidas durante o Natal e o período de férias escolares na França.

*Com informações da EFE