Maior buraco já encontrado na camada de ozônio se fechou, dizem pesquisadores

  • Por Jovem Pan
  • 29/04/2020 14h36
Copernicus Atmosphere Monitoring Service (CAMS*)Maior buraco na camada de ozônio se fechou, dizem pesquisadores

Os pesquisadores do Serviço de Monitoramento Atmosférico Copernicus (CAMS*, em inglês) anunciaram que o maior buraco que já foi registrado na camada de ozônio se fechou neste mês.

Segundo eles, o buraco, localizado sobre o Ártico, cresceu até chegar a mais de 1 milhão de quilômetros de extensão.

Os estudos, no entanto, não relacionam o fechamento do buraco na camada de ozônio ao fato do isolamento social e lockdowns decretados por diversos países durante a pandemia de coronavírus.

Segundo o serviço de monitoramento, o fechamento se deu porque o buraco se formava onde os vórtices polares costumam ser fracos e, por isso, não havia esgotamento de ozônio, no entanto, em 2020, “o vórtice polar do Ártico foi excepcionalmente forte e durou muito”. O fenômeno estava sendo monitorado desde fevereiro e percebeu a dissipação do buraco quando os vórtices se acalmaram na região.

“Além disso, as temperaturas na estratosfera do Ártico eram baixas o suficiente por vários meses no início de 2020 resultando em grandes perdas de ozônio no Ártico”, acrescentaram os pesquisadores.

De acordo com o estudo, o esgotamento de ozônio causado pelo buraco no Ártico foi tão grave que superou os 18 quilômetros de altitude – o que não era visto desde 2011.