Ministro iraniano debocha de sanções, chama Trump de hipócrita e ataca EUA em vídeo

  • Por Jovem Pan
  • 06/11/2018 09h49
EFE/EPA/SHAWN THEWSanções entraram em vigor nesta segunda-feira (5), mas abrem exceção e permite que oito países comprem petróleo iraniano

Nesta terça-feira (6), o ministro de Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, debochou das sanções estadunidenses que entraram em vigor ontem (5). Na lista de 700 entidades afetadas, os EUA listaram um navio que afundou em janeiro deste ano e um banco fechado há seis anos. O navio listado é o petroleiro Sanchi, que afundou após um acidente no mar da China Oriental, causando a morte de 30 tripulantes. Já o banco citado, é o Tat, que fechou em 2012. Além disso, o ministro divulgou um vídeo em que fala sobre as sanções.

Para Zarif, essas sanções são desmedidas e os erros na lista de empresas evidenciaria “uma operação psicologia desesperada” para acrescentar empresas ao rol das sancionadas. As declarações de Zarif vieram através do seu Twitter. O ministro aponta ainda que as ações dos EUA são dirigidas “indiscriminadamente” aos iranianos.

No vídeo, Zarif endureceu o discurso e afirmou que as Trump tem feito reivindicações “hipócritas” e que os Estados Unidos deveriam focar seus esforços em enfrentar “as crises que eles próprios criaram, como no Afeganistão ou com seu apoio a Saddam Hussein, incluindo o uso de armas químicas contra o Irã e também a invasão ao Iraque para impedir Saddam Hussein de utilizar as mesmas armas que os parceiros estadunidenses da Arábia Saudita e Israel utilizam”, diz em trecho do vídeo.

Nesta segunda-feira (5), o ministro, assim como o presidente iraniano, Hassan Rohani, vieram a público denunciar os EUA por violarem normas da ONU e do Conselho de Segurança. “A intimidação dos EUA é contraproducente […] o mundo não pode permitir que [o presidente Donald] Trump e companhia destruam a ordem global”, disse Zarif.

E não sobrou nenhum

A investida dos Estados Unidos contra o Irã reúne 700 pessoas, empresas e entidades ligadas aos setores financeiros e energéticos. Entretanto, oito países foram liberados para continuar a comprar petróleo do Irã pelos próximos seis meses: China, Coréia do Sul, Taiwan, Turquia, Índia, Itália, Grécia e Japão.

Em discurso na emissora de televisão estatal nesta segunda, Rohani disse que o país iria ignorar “orgulhosamente” as sanções e manteria seu comercio de petróleo com os países que se dispusessem.

*Com informações da Agência EFE