Morre de Covid-19 o capitão que arrecadou milhões para o sistema de saúde britânico

Condecorado cavaleiro pela Rainha Elizabeth II, o veterano da Segunda Guerra Tom Moore ficou famoso por dar cem voltas em torno do jardim de sua casa no seu centenário

  • Por Jovem Pan
  • 02/02/2021 14h31 - Atualizado em 02/02/2021 14h36
EFE/EPA/VICKIE FLORES/ArchivoLogo após seu centenário, Tom Moore foi condecorado cavaleiro pela Rainha Elizabeth II

O capitão Tom Moore morreu após ter sido hospitalizado com coronavírus. O britânico de 100 anos de idade, que lutou na Segunda Guerra Mundial, foi levado ao Hospital de Bedford no último domingo, 31, com dificuldades respiratórias. Ele testou positivo para a doença antes de ter a chance de tomar a vacina contra a Covid-19. O veterano se tornou famoso depois de comemorar o seu centésimo aniversário dando cem voltas em torno do jardim de sua casa em Bedfordshire. O objetivo era arrecadar um milhão de libras para o combate à pandemia, mas no fim das contas ele conseguiu levantar 33 milhões de libras que foram destinadas ao Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido. O gesto fez com que o capitão fosse condecorado cavaleiro pela Rainha Elizabeth II no castelo de Windsor, em julho de 2020.

Segundo a emissora de televisão BBC, a monarca prestou homenagem ao capitão reconhecendo a “inspiração que ele forneceu para toda a nação e outras pessoas em todo o mundo”. Já o primeiro-ministro Boris Johnson afirmou que Tom Moore foi um “herói no verdadeiro sentido da palavra”. “Nos dias sombrios da Segunda Guerra Mundial, ele lutou pela liberdade e em face da crise mais profunda neste o país desde o pós-guerra ele uniu a todos nós, ele nos alegrou e ele encarnou o triunfo do espírito humano”, escreveu o premier. A filha do veterano, Hannah Ingram-Moore, relatou à TV britânica que ela e sua família passaram as últimas horas de Tom Moore dividindo lágrimas e risadas.

Antes de sua morte, o Serviço Nacional de Saúde afirmou que o veterano tinha sido uma “inspiração para o país” e incentivado outras pessoas a fazerem “coisas loucas e diferentes para apoiar a caridade e dar ajuda extra ao sistema de saúde”. “Os fundos que ele arrecadou estão fazendo uma diferença significativa no Serviço Nacional de Saúde nesse momento”, afirmou a chefe-executiva da organização, Ellie Orton. Ela relatou em entrevista à BBC que o dinheiro está sendo usado para dar suporte emocional extra para os funcionários da saúde e para comprar iPads para os pacientes que estão isolados de suas famílias.