Sobe para 44 número de mortos por temporais e inundações no Japão

  • Por Jovem Pan
  • 06/07/2020 10h47
EFE/EPA/JIJI PRESS JAPAN OUT EDITORIAL USE ONLY/ NO ARCHIVESAbe ordenou operações de busca e resgate 24 horas por dia. Dez pessoas seguem desaparecidas, segundo informações da NHK

Os temporais que atingiram a Ilha de Kyushu, no sudoeste do Japão, desde o sábado (4) elevaram para 44 o número de mortes pelas inundações e deslizações de terra na região. Entre as vítimas, 14 são idosos de uma casa de repouso, alagada após um rio transbordar. Ordens de retirada foram emitidas para mais de meio milhão de habitantes, além de alertas de retirada para mais dezenas de milhares no oeste japonês, anunciou a emissora NHK.

O primeiro-ministro, Shinzo Abe, disse que a previsão é de que a chuva siga para o leste do país na quarta-feira (8). Abe ordenou operações de busca e resgate 24 horas por dia. Dez pessoas seguem desaparecidas, segundo informações da NHK.

Imagens de televisão mostraram ruas transformadas em rios, com água na altura da cintura, uma ponte caída, carros virados e um helicóptero içando um homem de uma casa alagada. A casa de repouso inundada está localizada no município insular central de Kumamoto. Com as previsões de manutenção das chuvas intensas, autoridades pedem cautela à população e indica que os moradores evitem áreas com risco de deslizamentos.

“Faço um apelo a todos os cidadãos a seguirem cuidadosamente as informações fornecidas pelas autoridades locais e ficarem alertas para adotar ações que protejam sua vida”, disse Abe em reunião de uma força-tarefa do governo.

O secretário-chefe de gabinete, Yoshihide Suga, informou que 40 mil homens da Força de Autodefesa estão envolvidos em missões de resgate. Ele acrescentou que centros de acolhida também trabalham para evitar a disseminação da Covid-19, distribuindo desinfetante e pedindo que as pessoas mantenham distância umas das outras.

As inundações são o pior desastre natural a atingir o Japão desde que o tufão Hagibis matou cerca de 90 pessoas em outubro.

*Com informações da Agência Brasil