Mulher é condenada por fraude eleitoral nos EUA após votar em nome da mãe falecida

Caso aconteceu nas eleições presidenciais de 2020; mulher de 64 anos negou as acusações em julgamento

  • Por Jovem Pan
  • 02/05/2022 23h49
EFE/EPA/RICHARD ELLIS estados unidos Fraude aconteceu em votação pelo correio nas eleições de 2020

Uma mulher no Arizona, Estados Unidos, foi condenada a dois anos de liberdade condicional depois de se declarar culpada por fraude eleitoral nas eleições de 2020. A Republicana Tracey Kay McKee, de 64 anos, assinou e votou em nome de sua mãe falecida, Mary Arendt. A sentença foi proferida pela juíza do Tribunal Superior do Condado de Maricopa, Margaret LaBianca, na última sexta-feira, dia 29. A mãe da eleitora morreu em 5 de outubro de 2020, poucos dias antes de as primeiras cédulas por correio serem enviadas aos eleitores. “A fraude eleitoral vai prevalecer enquanto houver votação pelo correio, com certeza. Quer dizer, não há como garantir uma eleição justa. Não acredito que esta foi uma eleição justa. Acredito que houve muita fraude eleitoral”, disse McKee em julgamento, onde também negou ter envolvimento. Apesar de se declarar republicana, não ficou claro se ela votou em Donald Trump nas eleições presidenciais, já que no julgamento essa pergunta não foi feita.