Na ONU, Trump critica o Irã e chama Maduro de ‘marionete cubana’

  • Por Jovem Pan
  • 24/09/2019 13h13
EFE No início do discurso na Assembleia Geral da ONU, Trump afirmou que "o mundo livre" deve proteger a sua estrutura nacional, e não tentar substituí-la. "Se querem liberdade, mostrem orgulho pelo seu país.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, levou nesta terça-feira a sua mensagem nacionalista às Nações Unidas ao defender que “o futuro não pertence aos pró-globalização, o futuro pertence aos patriotas”.

No início do discurso na Assembleia Geral da ONU, Trump afirmou que “o mundo livre” deve proteger a sua estrutura nacional, e não tentar substituí-la. “Se querem liberdade, mostrem orgulho pelo seu país. Se querem democracia, conservem sua soberania. E se querem paz, amem sua nação”, disse o governante americano diante dos demais chefes de Estado e de governo reunidos em Nova York.

O presidente americano ainda falou sobre o modelo que entende como válido nas relações internacionais. “O futuro pertence a nações soberanas e independentes que protegem seus cidadãos, respeitam os vizinhos e honram as diferenças que fazem a cada país especial e único”, apontou.

Irã

Donald Trump declarou também que o mundo tem o “dever de agir” contra os “ataques violentos” do Irã às refinarias da petroleira saudita Aramco e o “desejo de sangue” do país islâmico.

Ele ressaltou que os EUA “nunca acreditaram nos inimigos permanentes” e não querem fechar as portas para a diplomacia. “Todas as nações têm o dever de agir. Nenhuma nação responsável deveria satisfazer o desejo de sangue do Irã”, afirmou Trump na reunião diplomática em Nova York.

Venezuela

O ditador venezuelano, Nicolás Maduro, também foi alvo de críticas de Trump. O presidente norte-americano criticou o governo de Cuba e garantiu que seguirá defendendo a mudança de regime no país sul-americano.

“O diretor Maduro é uma marionete cubana, protegida por guarda-costas cubanos”, atacou o líder, durante discurso na Assembleia Geral da ONU. “Cuba saqueia a riqueza da Venezuela.”

Trump, inclusive, dirigiu palavras aos cidadãos venezuelanos, que vivem, segundo ele, um “pesadelo”, garantindo que o país que lidera seguirá dando apoio humanitário.

“Estamos seguindo muito de perto da situação na Venezuela. Esperamos o dia em que seja restaurada a democracia, e a Venezuela seja livre”, assegurou.

“O socialismo e o comunismo não se tratam de justiça, nem de tirar o povo da pobreza”, acrescentou.

Para Trump, as políticas são responsáveis por destruir nações e sociedades, antes de citar Cuba, Venezuela e Nicarágua como países em que a democracia está mais ameaçada no continente americano.

Com informações da EFE