Naufrágio de bote no Canal da Mancha deixa pelo menos 30 mortos

Barcos da polícia e helicópteros atuam no local para buscar desaparecidos; barco levava imigrantes ao Reino Unido

  • Por Jovem Pan
  • 24/11/2021 16h37 - Atualizado em 24/11/2021 16h44
REUTERS/Gonzalo FuentesEquipes de resgate buscam mais sobreviventes no local

Pelo menos 33 pessoas morreram no naufrágio de um bote enquanto tentavam atravessar o Canal da Mancha da França para o Reino Unido nesta quarta-feira, 24. O número de vítimas foi informado pelo prefeito de Teteghem e vice-presidente de Transportes para a Região Norte da França, Franck Dhersin. Um pescador acionou o serviço de resgate após ver o bote vazio e algumas pessoas flutuando. Segundo a guarda costeira local, ainda não é possível confirmar o número exato de mortes, mas estima-se que havia cerca de 30 pessoas no bote. De acordo com a Marinha da França, Annick Girardin, barcos da polícia e três helicópteros estão no local para buscar pessoas desaparecidas. O Canal da Mancha é uma das rotas de navegação mais movimentadas do mundo, além de ser uma rota de imigração, e as correntes são fortes. Embora a polícia francesa esteja impedindo mais travessias do que em anos anteriores, o fluxo de imigrantes que querem chegar ao Reino Unido não foi interrompido.

O Ministro do Interior da França, Gerald Darmanin, se manifestou sobre o acidente nas redes sociais. “Forte emoção diante da tragédia de numerosas mortes devido ao naufrágio de um barco de imigrantes no Canal da Mancha”, escreveu. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, lamentou o ocorrido. “Estou chocado e profundamente triste com as perdas de vidas no mar do Canal da Mancha. Meus sentimentos às vítimas e suas famílias”, declarou em vídeo publicado no Twitter. Johnson também falou sobre os perigos da imigração ilegal e criticou “gangues” que oferecem esse tipo de serviço de travessia. “Agora é a hora de todos nós avançarmos, trabalharmos juntos e fazermos tudo o que pudermos para impedir essas gangues que estão escapando impunes de um assassinato.”

 

*Com informações da Reuters