No Líbano, Carlos Ghosn fala em ‘direitos humanos violados’ com sua prisão

  • Por Jovem Pan
  • 08/01/2020 10h54 - Atualizado em 08/01/2020 11h53
EFENa coletiva, Ghosn lembrou que não teve contato com a família durante boa parte dos meses em que esteve preso

O ex-presidente da aliança Renault-Nissan Carlos Ghosn fala, na manhã desta segunda-feira (8), pela primeira vez após ser preso em novembro de 2018 por violações financeiras. Ele fugiu do Japão, onde estava preso, em um jatinho particular — dentro de uma caixa de música.

Agora ele está em Beirute, no Líbano. O brasileiro nascido em Roraima também tem nacionalidade libanesa e francesa.

“Foram violados os princípios de direitos humanos. Estou aqui para limpar meu nome, houve uma heresia. Essas acusações não são verdadeiras e eu nunca deveria ter sido preso.”

Na coletiva, Ghosn lembrou que não teve contato com a família durante boa parte dos meses em que esteve preso e afirmou que “com fatos, informações e provas” todos vão descobrir a verdade.

“Como vocês podem imaginar, hoje é um dia muito importante para mim. Esperei por esse momento por mais de 400 dias — desde que fui tirado no meu trabalho brutalmente e afastado da minha família e amigos.”

O executivo lembrou a data em que foi interrogado pela Justiça japonesa em Tóquio e declarou inocência. “Passei meses sendo interrogado até 8 horas por dia sem a presença de advogados e sem entender exatamente pelo o que estava sendo acusado, sem acesso a evidências e provas.”