Nova York passa dos 20 mil infectados por coronavírus; entenda por que número é tão alto

  • Por Jovem Pan
  • 23/03/2020 17h19
Kevin Hagen/EFEAndrew Cuomo (centro) é o atual governador de Nova York

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, informou nesta segunda-feira (23) que os casos de Covid-19 no estado – epicentro da pandemia da doença transmitida pelo novo coronavírus nos Estados Unidos – aumentaram quase 38% em um dia.

O número de pessoas infectadas em Nova York subiu para 20.875 e é visto como resultado da capacidade do estado de realizar testes. Atualmente, o local oferece 16 mil testes por dia, superior ao resto do país e, proporcionalmente, até à Coreia do Sul. De acordo com essa lógica, quanto mais pessoas forem testadas, mais serão diagnosticadas.

“Desde 13 de março, passamos de mil testes por dia para 16 mil. É mais do que qualquer outro estado nos Estados Unidos, é mais per capita do que a Coreia do Sul, que tinha a medalha de ouro dos testes. Eles faziam 20 mil por dia em uma população muito maior, o dobro da de Nova York. Nós fazemos 16 mil testes diários, o que, se comparado com China ou Coreia do Sul, per capita, está acima”, explicou Cuomo em entrevista coletiva.

O governador alegou que “os números continuarão a aumentar, porque mais testes estão sendo feitos” e explicou que 5.707 novos casos positivos foram detectados de domingo a segunda-feira, mais da metade na cidade de Nova York (3.260). Além disso, do total de 20.875 pessos com Covid-19 em todo o estado, 157 morreram, 2.635 estão internadas e, dessas, 621 estão em unidades de tratamento intensivo (UTI).

Cuomo assinou um pedido de emergência nesta segunda-feira para que os hospitais aumentem sua capacidade de atendimento em pelo menos 50% e destacou que o objetivo é dobrá-la. O governador disse que a maior necessidade para cumprir essa meta é conseguir “respiradores e leitos de UTI”. “O estado de Nova York tem 53 mil leitos, mas precisamos de cerca de 110 mil”, frisou.

Ele afirmou ainda que “o maior problema de controle da densidade populacional está na cidade de Nova York” e que, apesar de a quarentena ter entrado em vigor, espera um plano específico “voltado aos jovens e seus encontros, porque eles podem ser infectados pelo vírus e transmití-lo de forma imprudente e contra o espírito cívico”.

Cuomo pediu também para a população ter consciência de que a situação pode durar “vários meses” e assumiu “responsabilidade pela paralisação da economia”, mas acrescentou que já está trabalhando em “um plano de retorno à economia funcional, que inclui uma estratégia de saúde pública”.

Enquanto isso, e em um tom tranquilizador, ele lembrou que “muitas pessoas pegam o vírus, até 80%, mas poucas realmente correm perigo” e, nesse sentido, pediu aos nova-iorquinos que mantenham o isolamento social, mas estejam espiritualmente conectados” e procurem “o que há de positivo em uma vida mais tranquila, mas com comida em supermercados, gasolina em postos de gasolina e nenhuma razão para ansiedade extraordinária”.

*Com informações da Agência EFE