OMS contabiliza 92 casos da varíola dos macacos e diz esperar mais nos próximos dias

Infecções foram relatadas em 12 estados membros da ONU que não são endêmicos para o vírus; contágio ocorre por contato de gotículas salivares, fluídos corporais e de mãe para filho

  • Por Jovem Pan
  • 22/05/2022 13h10 - Atualizado em 22/05/2022 14h12
REUTERS/Dado Ruvic/Illustration varíola dos macacos Tubos de ensaio rotulados como "positivo para o vírus Monkeypox", que provoca a varíola dos macacos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) identificou até o último sábado, 21, 92 casos confirmados e 28 suspeitos da varíola dos macacos. As infecções foram relatadas em 12 estados membros da Organização das Nações Unidas (ONU) que não são endêmicos para o vírus. A OMS afirma que espera identificar mais casos da doença à medida que expande a vigilância em países onde a doença normalmente não é encontrada. “As informações disponíveis sugerem que a transmissão de humano para humano está ocorrendo entre pessoas em contato físico próximo com casos sintomáticos”, acrescentou a agência.

A varíola dos macacos é uma doença infecciosa que geralmente é leve e é endêmica em partes da África Ocidental e Central. O contágio ocorre por contato gotículas salivares em contato próximo entre as pessoas, além de fluídos corporais e de mãe para filho. O vírus pode ser contido com relativa facilidade por meio de medidas como auto-isolamento e higiene. “O que parece estar acontecendo agora é que ele entrou na população como uma forma sexual, como uma forma genital, e está se espalhando assim como as infecções sexualmente transmissíveis (IST), o que amplificou sua transmissão em todo o mundo”, disse David Heymann, funcionário da OMS. Os casos da doença vem sendo identificados principalmente, mas não exclusivamente, entre homens que fazem sexo com homens (HSH), gays e bissexuais, que procuram atendimento na atenção primária e nas clínicas de saúde sexual.

*Com informações da Reuters