OMS pede ‘quarentena’ na politização da Covid-19: ‘É como brincar com fogo’

  • Por Jovem Pan
  • 08/04/2020 13h45 - Atualizado em 08/04/2020 13h46
Salvatore Di Nolfi/EFETedros Adhanom é o atual diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS)

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou nesta quarta-feira (8) que ainda existem “muitos fatores desconhecidos” sobre o novo coronavírus, o que gera incerteza sobre o futuro da pandemia. Durante entrevista coletiva, a autoridade informou que a OMS organiza neste momento uma força-tarefa que reúne dezenas de países, a fim de mobilizar trabalhadores e insumos neste combate

Tedros Ghebreyesus fez uma defesa inflamada do trabalho em andamento da OMS, dizendo que o foco agora é “salvar vidas” e que não queria perder tempo com críticas.

A fala aconteceu porque, na noite de terça-feira (7), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que poderia suspender o envio de dinheiro para a entidade, já que ela estaria “centrada na China”.

O diretor-geral da OMS não quis responder diretamente às críticas, mas defendeu que não se politize a questão do coronavírus. “É como brincar com fogo”, advertiu, pedindo uma “quarentena” na politização do tema. Ele ainda pediu unidade no nível nacional e trabalho para além das linhas partidárias e de crenças, na luta contra a doença.

*Com informações do Estadão Conteúdo