OMS pede que ‘ilusão de imunidade coletiva’ não seja única opção contra a Covid-19

Maria Van Kerkhove diz que ninguém deve colocar as esperanças na imunidade coletiva como forma de frear o coronavírus no mundo

  • Por Jovem Pan
  • 18/08/2020 10h20 - Atualizado em 18/08/2020 10h31
EFE/EPA/JEROME FAVRECom os avanços, séries de restrições voltaram a ser impostas em locais como a Nova Zelândia

A líder do grupo criado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para lutar contra a pandemia da Covid-19, Maria Van Kerkhove, afirmou nesta terça-feira, 18, que ninguém deve colocar as esperanças na imunidade coletiva como forma de frear a propagação do novo coronavírus no mundo. “Sabemos que menos de 10% da população mundial tem evidências de anticorpos contra o SARS-CoV-2”, disse a representante da agência, em entrevista coletiva. Ao todo, são mais de 21,9 milhões de casos da doença e mais de 774 mil vítimas da Covid-19.

Ao mesmo tempo, o diretor-executivo do Departamento de Emergências da OMS, Mike Ryan, garantiu que não é possível afirmar que o planeta está perto do nível de imunidade requerido para deter a Covid-19. “Temos que nos concentrar no que podemos fazer para parar o coronavírus e não viver na ilusão de que uma imunidade coletiva nos salvará”, disse o especialista. As declarações acontecem em um momento em que países europeus, assim como nações em todo o planeta, enfrentam novos surtos da doença. Com os avanços, séries de restrições voltaram a ser impostas em locais como a Nova Zelândia, que adotou bloqueio total para conter os novos casos. Na Itália, bares e estabelecimentos noturnos também foram fechados.

*Com informações da EFE