Onda de frio recorde assola os Estados Unidos

  • Por Jovem Pan com EFE
  • 03/01/2018 08h16 - Atualizado em 03/01/2018 08h20
EFE/EPA/ALBA VIGARAY Homem caminha agasalhado pelo Washington Square Park, em Nova Iorque

Os Estados Unidos receberam 2018 com uma onda de frio em praticamente todo o país, com um recorde de marcas mínimas nos termômetros que já causaram várias mortes atribuídas à exposição às baixas temperaturas.

As nevascas têm se estendido nos últimos dias ao longo do território americano por conta das temperaturas extremas, que bateram recordes mantidos durante décadas.

Chegando ao abaixo de zero em grande parte do país, as baixas temperaturas provocaram a morte de pelo menos três pessoas como consequência destas condições meteorológicas nos estados de Wisconsin e Dakota Norte.

Veja a matéria de Victor Moraes Jovem Pan ao Jornal da Manhã e relatos de brasileiros nos EUA e no Canadá:

Há 99 anos se mantinha o recorde de temperaturas mais baixas registrado no primeiro dia de janeiro em Aberdeen, estado de Dakota Sul, onde o termômetro alcançou no dia 1º a marca de 36 graus negativos e pulverizou essa marca.

Mais tempo ainda tinha se passado desde o mínimo contabilizado no estado de Nebraska, já que é preciso remontar-se a 1884 para encontrar a marca agora batida pelos 26 graus negativos do dia 31 de dezembro em Omaha, onde o clima provocou a suspensão da queima de fogos de artifício para a celebração do novo ano, segundo informou a imprensa local.

No nordeste do estado de Nevada, a temperatura das correntes de vento alcançou os 50 graus abaixo de zero como parte de uma onda que chegou inclusive ao Texas, onde durante a noite chegou a nevar.

Estas condições também se fizeram sentir nas grandes cidades, já que Nova York viveu um dos finais de ano mais frio registrados na história e centenas de pessoas viram a tradicional descida da bola em Times Square com 12 graus abaixo de zero, mas ainda longe dos 17 graus negativos registrados em 1917.

O congelamento chegou à água na capital, onde em 1º de janeiro foi possível observar famílias caminhando sobre o gigantesco tanque em frente ao Lincoln Memorial em Washington, enquanto a superfície do rio Potomac se mantém congelada.

O Serviço Nacional de Meteorologia informou através da sua conta no Twitter que a massa de ar ártico trará ao país um “prolongado período” de temperaturas “muito abaixo do normal” e de “correntes de frio perigoso” na região central e oriental do país na próxima semana.

Às seis da manhã desta terça (2), a onda de fria seguia castigando o país, e no estado de Iowa se registraram temperaturas de 27 graus abaixo de zero durante a madrugada, marcas similares às dos estados vizinhos de Minnesota e Illinois, como indicou o Serviço Nacional de Meteorologia.

A instituição emitiu ontem novos alertas de frio sobre praticamente toda a superfície do país, do sul ao norte, do estado do Texas até o Canadá, e do oeste a leste, de Montana à área de Nova Inglaterra.

Apesar de as temperaturas serem mais elevadas no sul e no oeste dos Estados Unidos, as inclemências meteorológicas também tiveram efeitos na Flórida, onde um parque aquático de Orlando teve que fechar no dia 1º de janeiro.