ONU diz que mais de 1.100 civis já morreram na Ucrânia desde a invasão russa

Crianças são 96 dos óbitos e quantidade de feridos passa de 1.700; Zelensky voltou a pedir para o ocidente e países da Otan o fechamento do espaço aéreo

  • Por Jovem Pan
  • 26/03/2022 21h51 - Atualizado em 26/03/2022 22h16
EFE/EPA/SERGEI ILNITSKY Mais de 1100 civis morreram na Ucrânia Flores jazem no local onde as pessoas foram mortas no centro de Donetsk, Ucrânia

O Conselho de Direito Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) informou neste sábado, 26, que mais 1.104 civis, sendo 96 crianças, já morreram em decorrência da guerra entre Rússia e Ucrânia que acontece desde o dia 24 de fevereiro. O número de feridos contabilizados é de 1.754. As crianças representam 124 desse total. Segundo a ONU, a maioria dessas pessoas teriam sido atingidas por ataques aéreos. O presidente Volodymyr Zelensky voltou a pedir neste sábado por um suporte por parte do Ocidente e países da Otan para o fechamento do espaço aéreo. Em discurso realizado mais cedo, ele disse que é impossível salvar Mariupol, uma das cidades mais afetadas pelo bombardeio das tropas russas e que já está 90% destruída, sem tanques adicionais e aviões. A Otan, por sua vez, já informou que não vai fechar o espaço aéreo. “Os aliados concordaram que não deveríamos ter aviões sobre o espaço aéreo da Ucrânia ou tropas no território ucraniano”, disse o secretário-geral, Jens Stoltenberg, pois, caso a implementação da ação aconteça, caças da Otan derrubariam caças russos que voassem sobre a região. “Achamos que se fizermos isso, vamos acabar tendo algo que pode se tornar uma guerra total na Europa, engolindo muitos outros países e causando muito mais sofrimento humano”, argumentou.