Operações na Venezuela mataram mais de 1,3 mil pessoas em cinco meses

  • Por Jovem Pan
  • 03/07/2020 09h16
Reprodução/Assembleia Nacional da VenezuelaDas mortes em operações de segurança, cerca de 432 foram atribuídas à unidade das Forças Policiais Especiais (Faes) e 366 à polícia investigativa conhecida como CICPC

Nos primeiros cinco meses de 2020, operações de segurança na Venezuela já mataram pelo menos 1,3 mil pessoas. A informação é do Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas para os Direitos Humanos. A alta comissária Michelle Bachelet, que apresentou nesta quinta-feira (2), em Genebra, relatório de 17 páginas sobre o país, disse que está “preocupada com os altos números de mortes de jovens pelas forças de segurança”, referindo-se a pessoas que teriam morrido enquanto resistiam às autoridades.

Os dados oficiais da Venezuela mostram 6,7 mil homicídios em 2019 e 1,36 mil entre janeiro e maio deste ano. Os dados “não incluem as mortes violentas no contexto de operações de segurança, classificadas como ‘resistência à autoridade'”, afirmou Michelle Bachelet, também ex-presidente do Chile.

Das mortes em operações de segurança, cerca de 432 foram atribuídas à unidade das Forças Policiais Especiais (Faes), 366 à polícia investigativa conhecida como CICPC, 136 à Guarda Nacional e 124 à polícia do estado de Zulia, diz o relatório.  Jorge Valero, embaixador venezuelano na ONU e em outras organizações internacionais em Genebra, afirmou que o relatório é baseado em “questionamentos infundados”, com o objetivo de “abastecer a agenda de agressão que se desdobra contra a Venezuela”.

*Com informações da Agência Brasil