OVNIs estão cada dia mais presentes, aponta relatório histórico apresentado por oficiais dos EUA

Congresso americano realizou uma audiência pública para apresentar testemunhos que comprovam a existência e o aumento de ‘objetos não identificados’ nas últimas duas décadas

  • Por Jovem Pan
  • 18/05/2022 14h52
Naval Air Systems Command / AFP e JEREMY AUDOUARD / EBS / NAVAL AIR SYSTEMS COMMAND / AFP ovinis Estados Unidos Pentágono anunciou a criação de um escritório para coletar e analisar as informações sobre objetos voadores não identificados (ovnis)

Pela primeira vez em mais de 50 anos os Estados Unidos falaram sobre objetos não identificados (OVNIs). Na terça-feira, 17, o Congresso americano realizou uma audiência pública para apresentar testemunhos históricos de oficiais do Pentágono que mostram a existência e o aumento na quantidade dos objetos não autorizados nos últimos 20 anos. “Desde o começo dos anos 2000, temos observado um número crescente de objetos não autorizados ou não identificados”, disse Scott Bray, vice-diretor de inteligência naval dos EUA. 

Bray e Ronald Moultrie, são duas autoridades graduadas de inteligência da Defesa dos EUA e compareceram a um subcomitê de inteligência da Câmara dos Deputados 11 meses após um relatório documentar mais de 140 casos de fenômenos aéreos não identificados (UAPs, na sigla em inglês), que pilotos militares relataram observar desde 2004. “Sabemos que nossos militares encontraram fenômenos aéreos não identificados e, como os UAPs representam riscos potenciais de segurança de voo e segurança geral, estamos comprometidos com um esforço concentrado para determinar suas origens”, disse Moultrie. 

Scott Bray e Ronald Moultrie

O vice-diretor de inteligência naval Scott Bray e o subsecretário de Defesa para Inteligência e Segurança Ronald Moultrie testemunham perante uma audiência do subcomitê de inteligência da Câmara no Capitólio dos EUA

Contudo, apesar dos pensamentos que rondam em torno de OVNIs, Bray ressaltou que o Pentágono não detectou nada “que possa sugerir uma origem não terrestre” desses fenômenos, mas também não descartou essa possibilidade: “Não fazemos suposições sobre o que é ou não é”, declarou. Segundo ele, alguns fenômenos podem ser explicados pela presença de drones ou aves que criam confusão nos sistemas de radar. Outros podem ser resultado de testes de equipamentos ou tecnologias militares realizados por outras potências, como China ou Rússia.

O Exército dos Estados Unidos e a inteligência estão focados em determinar em primeira mão se esses fenômenos estão relacionados a possíveis ameaças ao país. “Os fenômenos aéreos não identificados são uma ameaça potencial à segurança nacional e devem ser avaliados nesse sentido”, disse o deputado democrata Andre Carson, que presidiu o painel da audiência, e também informou que ao receber os testemunhos, os legisladores pretendiam tirar das sombras um setor do Departamento de Defesa. 

A última vez que os Estados Unidos falaram sobre OVNIs foi em 1970 quando encerrou sua investigação, que era realizada pelo Projeto Blue Book. O tema objeto voador não identificado, tem sido amplamente associado à noção de espaçonave alienígena, que não recebeu menção na apresentação de UAPs de junho passado. O foco, em vez disso, estava nas possíveis implicações para a segurança nacional e a segurança da aviação dos EUA. O relatório, no entanto, incluiu alguns UAPs revelados anteriormente em imagens de vídeo divulgadas pelo Pentágono de objetos enigmáticos no ar exibindo velocidade e manobrabilidade que excedem a tecnologia de aviação conhecida e carecem de meios visíveis de propulsão ou superfícies de controle de voo.