Papa denuncia exploração em missa pelo Dia do Trabalhador

  • Por Jovem Pan
  • 01/05/2020 10h11
EFE/EPA/VATICAN MEDIAO papa garantiu estar junto com as pessoas fiéis e não fiéis, que comemoram o Dia do Trabalhador e que lutam pela justiça do trabalho

O papa Francisco, durante missa nesta sexta-feira (1º), dedicada ao Dia do Trabalhador e a São José Operário, denunciou existir homens e mulheres que são explorados, forçados, tratados injustamente ou mal pagos.

“A dignidade do trabalho é muito maltratada. Na história, lemos as brutalidades que faziam com os escravos, os levando da África para a América, uma história que toca a minha terra e que consideramos uma barbaridade. Mas, ainda hoje, há muitos escravos”, disse o líder da Igreja Católica.

Durante a missa, realizada na Casa Santa Marta, residência oficial do pontífice, Francisco lembrou que existem pessoas que não são livres para escolher como sobreviver. “São escravos dos trabalhos forçados, injustos, mal remunerados e que fazem com que o homem viva com a dignidade minada. São muitos no muito.”

Francisco relatou uma notícia que leu sobre um trabalhador na Ásia que recebia US$ 0,50 por dia, e que foi agredido até morrer, durante punição por executar mal a tarefa. O líder da Igreja Católica lembrou que a situação também atinge o mundo ocidental, onde há pessoas que tem jornadas de oito, 12, 14 horas por dia, sem remuneração e condições adequada.

“Isso acontece em todo o mundo, inclusive aqui”, indicou Francismo, que também afirmou que o trabalho foi entregue por Deus para o homem, com a missão de seguir a Criação. “A vocação que Deus nos deu é bela. Criar, trabalhar, mas isso só se pode fazer quando as condições são justas e se respeita a dignidade”, disse.

O papa garantiu estar junto com as pessoas fiéis e não fiéis, que comemoram o Dia do Trabalhador e que lutam pela justiça do trabalho, assim com os empresários e donos de meio de produção, que a garantem, mesmo que diminuam o lucro.

*Com informações da EFE