Parlamentares do Paraguai criam CPI sobre acordo de Itaipu com o Brasil

Oposição vê o acordo como lesivo aos interesses do país e protocolou um pedido de impeachment contra o presidente Mario Abdo Benítez

  • Por Jovem Pan
  • 19/08/2019 20h48
Caio Coronel/Itaipu/Agência BrasilUsina de Itaipu

Uma comissão do Congresso do Paraguai começou nesta segunda (19) a interrogar os envolvidos no polêmico acordo com o Brasil para a compra de energia de Itaipu, caso que pode provocar o impeachment do presidente Mario Abdo Benítez.

Segundo o presidente da Comissão Bicameral de Investigação, Eusebio Ramón Ayala, do Partido Liberal Radical Autêntico (PRLA), os integrantes do grupo já reuniram informações divulgadas pela imprensa e outras baseadas em documentos relativos às negociações.

Apesar de um atraso de duas horas para o início das audiências, os parlamentares ouviram hoje Fabián Cáceres, ex-gerente técnico da Administração Nacional de Eletricidade (Ande) que renunciou ao cargo por discordar do acordo, e José Sánchez Tillería, ex-diretor técnico do lado paraguaio da usina hidrelétrica de Itaipu.

As duas audiências duraram mais do que o previsto, mas não impediram que os depoimentos mais importantes do dia fossem colhidos: o do ex-ministro das Relações Exteriores Luis Alberto Castiglioni e a do ex-presidente da Ande Pedro Ferreira.

Ferreira foi quem revelou a existência do acordo, divulgado após ele renunciar ao cargo no último dia 24 de julho. As mensagens do WhatsApp do ex-presidente da Ande divulgadas pela imprensa ampliaram a crise. Elas mostravam que Abdo Benítez e o vice-presidente, Hugo Velázquez, sabiam do conteúdo das negociações com o Brasil.

Já Castiglioni, que entregou o cargo após a crise chegar ao governo, era o responsável direto pelas negociações, mas afirmou após ser ouvido pelo Ministério Público do Paraguai que pode ter havido “conversas paralelas” entre os governos dos dois países.

A ata bilateral, cancelada no início de agosto, estabelecia um cronograma de compra da energia de Itaipu até 2022, um ano antes do prazo para Brasil e Paraguai renegociarem o anexo C, relativo às questões financeiras da usina, presente no acordo assinado em 1973.

A oposição vê o acordo como lesivo aos interesses do país e por isso protocolou um pedido de impeachment contra Abdo Benítez e Velázquez. O movimento é liderado pelo PLRA, que tentará votar a abertura do processo na quarta-feira. No entanto, o partido ainda não tem os votos necessários para que o caso avance ao Senado.

Com Agência EFE