Parlamento da Finlândia aprova oficialmente candidatura à Otan

Em decisão histórica, país nórdico acaba com oito décadas de política de neutralidade; Suécia dá mais um passo importante rumo à adesão e assina a carta de solicitação

  • Por Jovem Pan
  • 17/05/2022 10h40 - Atualizado em 17/05/2022 11h06
EFE/EPA/Anders Wiklund SUÉCIA OUT parlamento da finlândia Otan O presidente da Finlândia Sauli Niinisto (C), o rei da Suécia Carl Gustaf (L) e o presidente do Parlamento da Suécia Andreas Norlen (R) deixam o prédio do parlamento em Estocolmo, Suécia

O Parlamento da Finlândia aprovou nesta terça-feira, 17, a adesão do país nórdico à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Com mais de 95% das aprovações, sendo 188 votos a favor, oito contra e nenhuma abstenção, eles vão enviar a candidatura à sede da Aliança. Essa decisão histórica acaba com a neutralidade de oito décadas do país. A vontade de ingressar na Otan já tinha sido formalizada no domingo quando o governo formalizou o pedido, entretanto, eles dependiam da aprovação do Eduskunta, o parlamento finlandês, que veio nesta terça, após a Comissão de Assuntos Externos da Finlândia apresentar um relatório em que mostra a necessidade em reforçar a segurança da Finlândia, tendo como base a situação atual da Ucrânia.

“A política externa de longa data da Rússia, baseada na força militar, e o objetivo declarado de uma estrutura de segurança baseada na divisão de interesses na Europa, ganhou uma nova dimensão com o lançamento da guerra de agressão contra a Ucrânia“, destacou. Na Otan “o efeito preventivo da defesa da Finlândia seria consideravelmente maior do que atualmente, pois seria respaldado pelas atuações de toda a aliança”, acrescenta. “É uma solução que reforça a defesa da Finlândia e a defesa coletiva da Otan”, complementa o relatório que também rejeita a possibilidade de presença de base militar ou armas nucleares no país.

A Suécia também deu um passo importante rumo a adesão da Otan, a ministra de Relações Exteriores, Ann Lide, assinou a carta em que o país solicita ingressar na Aliança. A Suécia também deu um passo importante rumo a adesão da Otan, a ministra de Relações Exteriores, Ann Lide, assinou a carta em que o país solicita ingressar na Aliança. “Acabei de assinar uma histórica carta de indicação do governo sueco para o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg. Nossa candidatura à Otan está agora oficialmente assinada”, declarou a ministra. As solicitações dos dois países nórdicos devem ser encaminhados juntas nos próximos dias.

Evolução da Otan

Para serem aceitos na Otan, Finlândia e Suécia precisam da aprovação de todos os países membros. Até agora o único que se mostrou contra foi a Turquia, que na segunda-feira, 17, declarou que não aprovará a entrada dos países que decidiram acabar com a neutralidade por causa do ataque da Rússia à Ucrânia que já beira os três meses. Quando receber as solicitações de candidatura, a Otan convidará os dois países para que negociem as condições de adesão. As conversas devem ser muito curtas, uma vez que ambos os países atendem os critérios de inclusão.

A Rússia que já tinha ameaçado Suécia e Finlândia caso eles mantivessem o interesse em ingressar na Otan, disse na segunda-feira que não tem nada contra a participação dos nórdicos na Aliança. “Não representa uma ameaça direta para nós, mas a expansão de infraestrutura militar a estes territórios vai gerar certamente uma resposta nossa”, afirmou Vladimir Putin em uma reunião de uma aliança militar liderada por MoscouO porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, declarou em entrevista coletiva que eles não têm disputas territoriais com os dois países. “Vamos observar com muito cuidado quais serão as consequências de uma adesão de Finlândia e Suécia à Otan, no que diz respeito à nossa segurança, que deve ser garantida de forma absolutamente incondicional”, frisou.