Polícia canadense evita ligar atropelamento a terrorismo; mortes chegam a 10

  • Por Estadão Conteúdo
  • 24/04/2018 11h46
EFEMotorista da van que atingiu e matou 10 pessoas não tinha passagens pela polícia
A polícia de Toronto, maior cidade do Canadá, ouviu testemunhas e analisou imagens de câmeras de vigilância para determinar a motivação do atropelamento na tarde desta segunda-feira (23), que deixou ao menos 10 mortos e 15 feridos depois que o condutor de uma van jogou o veículo sobre uma calçada lotada.

O suspeito, de 25 anos, foi capturado após um breve confronto com a polícia. Apesar de ainda não ter determinado a causa do incidente, o chefe de polícia da cidade, Mark Saunders, afirmou que o atropelamento parece ter sido intencional. “O incidente definitivamente pareceu deliberado”, afirmou, nesta terça-feira (24). Ele disse que o suspeito, Alek Minassian, mora no subúrbio de Toronto, em Richmond Hill, e não tinha passagens pela polícia.

O único pronunciamento das autoridades sobre a causa do acidente foi para afastar uma possível conexão do caso com terrorismo. A relação foi feita em razão da série de ataques contra pedestres na Europa e nos EUA, bem como pela presença de líderes mundiais em reunião das nações que compõem o G-7. De acordo com Saunders, “não há nada que faça comprometer a segurança nacional neste momento”.

Poucas informações foram divulgadas sobre o caso. “Precisamos de cada peça deste quebra-cabeça para que possamos ter uma imagem completa e explicar exatamente o que aconteceu aqui”, disse o policial.

A van pulou na calçada por volta das 13h30 desta segunda (horário local), atingindo os pedestres. A polícia disse que 26 minutos se passaram entre a primeira ligação ao serviço de emergência e a prisão do motorista.

“Estou sem palavras. Não posso acreditar que isso tenha acontecido aqui. Coisas assim não acontecem no Canadá”, disse a enfermeira Melissa Phillips, que passeava com seu cachorro na noite desta segunda-feira, a poucos passos de onde pedestres haviam sido atingidos mais cedo. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.