Polícia descarta motivação racial, religiosa ou terrorista em ataque no Texas

  • Por EFE
  • 06/11/2017 17h30
EFE/ Larry W. SmithAtirador Devin Patrick Kelley matou 26 pessoas e feriu outras 20 em ataque na igreja batista de Sutherland Springs

As autoridades do Texas descartaram nesta segunda-feira (6) que o massacre cometido neste domingo por Devin Patrick Kelley, que matou 26 pessoas em uma igreja batista na cidade de Sutherland Springs, no norte do estado, tenha ocorrido por questões raciais, religiosas ou terroristas, atribuindo a ação do atirador a motivos pessoais.

“Não cogitamos que a ação de ontem se deva a motivos raciais ou religiosos. Podemos sim dizer-lhes que havia uma série de problemas domésticos na sua família”, afirmou o porta-voz do Departamento de Segurança Pública do Texas, Freeman Martin, em entrevista coletiva.

Martin confirmou que a madrasta de Kelley era paroquiana da Primeira Igreja Batista, congregação contra a qual o homem teria feito uma série de ameaças por motivos que o porta-voz disse não poder detalhar.

As autoridades também confirmaram que tudo indica que Kelly acabou se suicidando após o massacre. Além disso, informaram que dez pessoas, das 20 que ficaram feridas no tiroteio, seguem em estado grave ou muito crítico no hospital. As outras estão em situação estável ou já receberam alta após serem atendidas.

Sobre as vítimas fatais, Martin explicou que uma pessoa morreu no hospital, duas fora da igreja e 23 dentro da paróquia da Primeira Igreja Batista.

Uma das vítimas que estava no interior da igreja era Annabelle Pomeroy, de 14 anos, e filha do pastor da congregação, Frank Pomeroy, que ontem tinha viajado com a mulher para Oklahoma.

“Por maior que tenha sido a tragédia para nossa família, não queremos fazer sombra sobre as outras vidas perdidas ontem. Ontem perdemos mais do que a Belle. Uma coisa que me dá um pouco de consolo é saber que ela estava rodeada pela família da igreja”, declarou a esposa do pastor, Sherri Pomeroy.