Ponte que liga China e Coreia do Norte é inaugurada

  • Por Jovem Pan
  • 08/04/2019 16h55
EFEA estrutura ficou pronta em 2016, mas a inauguração foi adiada repetidos testes de armas de Pyongyang entre 2016 e 2017

Uma ponte que liga a cidade de Ji’an, no nordeste da China, com o município norte-coreano de Nampo, através do rio Yalu, na Coreia do Norte, foi inaugurada nesta segunda-feira, 8. A ponte é uma indicação de que Pequim e Pyogyang, cada vez mais afetado pelas sanções internacionais, tentam reforçar a cooperação econômica.

Vários ônibus de turistas chineses cruzaram hoje para a Coreia do Norte para a inauguração, segundo informou a delegação da agência sul-coreana “Yonhap” presente na China.

A ponte começou a ser construída em 2012 e ficou pronta em 2016. No entanto, os repetidos testes de armas de Pyongyang entre 2016 e 2017 e o problema que estes geraram na capital chinesa aparentemente adiaram a estreia da estrutura até agora.

A súbita inauguração desta via para tráfego (o único viaduto além da fronteira na zona até agora era para ferrovia e de um só sentido) vem a representar um salva-vidas para a Coreia do Norte, cuja economia sempre preocupa na China diante dos efeitos que um colapso teria no seu território.

A Coreia do Norte vive momentos difíceis depois que a recente cúpula de Hanói entre o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o presidente dos EUA, Donald Trump, terminou sem acordo em torno do processo para desnuclearizar o regime.
Pyongyang tinha a esperança de que ambas as partes acordassem o desmantelamento de um determinado número de ativos nucleares em troca da suspensão de algumas sanções econômicas.

Por outro lado, uma fonte consultada pela “Yonhap” em Ji’an afirmou que houve uma aceleração da construção de uma estrada entre esta cidade fronteiriça e a cidade industrial de Tonghua, também em Jilin.

Assim, o foco Ji’an-Nampo poderia conformar um novo núcleo de cooperação econômica além da fronteira que se somaria aos dois mais importantes, o formado por Dandong e Sinuiju na foz do Yalu e o que compõem na fronteira ocidental a cidade chinesa de Hunchun e a zona econômica especial norte-coreana de Rason.

*Com EFE