Praias da França são fechadas após descumprimento da quarentena

No país, foram registrados 9.134 casos de infecção pelo coronavírus, e 264 pessoas morreram

  • Por Jovem Pan
  • 19/03/2020 15h19 - Atualizado em 19/03/2020 15h20
EFE/EPA/CHRISTOPHE PETIT TESSONAs regras de confinamento na França incluem exceções como trabalho, compras de itens de alimentação e medicamentos e ida à consultas médicas

Alguns governos regionais da França determinaram o fechamento das praias após a contínua ida das pessoas aos locais, mesmo depois da ordem de confinamento por causa do avanço do coronavírus no país. Foram bloqueadas todas as praias do Mediterrâneo, da Bretanha e do departamento da Gironda.

Os prefeitos das zonas mediterrâneas, incluindo a Ilha de Córsega, por exemplo, isolaram o litoral. O delegado da região de Provença-Alpes-Costa Azul, Pierre Dartout, afirmou que havia muitas pessoas inclusive em grupos.

Em Gironda, no oeste da França, houve a proibição de acesso às praias, e a prefeitura de Bordeaux ainda publicou um decreto que impede a circulação de pedestres nas margens do rio Garona.

As regras de confinamento na França incluem exceções como trabalho, compras de itens de alimentação e medicamentos, ida à consultas médicas, motivos familiares ou prática de esportes ao ar livre.

Paris

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, além do chefe de polícia, Didier Lallement, fizeram um apelo nesta quinta-feira (19) para que a população evite deslocamentos pela cidade, diante de “alguns comportamentos inaceitáveis” que persistem.

As duas autoridades apontaram que muitas pessoas seguem se concentrando em pontos como o Campo de Marte, nos Inválidos, e nos bosques de Vincennes e de Boulogne.

No domingo, os parques e jardins da capital francesa foram fechados e, em comunicado, Hidalgo e Lallament alertaram que haverá controle mais rígido de entrada nesses espaços, inclusive, com proibição.

O ministro do Interior da França, Christophe Castaner, perdeu a paciência e afirmou que as pessoas que desrespeitam a quarentena imposta pelo governo são “imbecis”, já que ameaçam, inclusive, a sim mesmos.

No país, de acordo com último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, 9.134 casos de infecção pelo coronavírus foram registrados, e 264 pessoas morreram até o momento.

* Com EFE