Presidente da Espanha buscará acordo nacional para reativar economia

  • Por Jovem Pan
  • 12/04/2020 12h27
EFE/EPA/MADRID CITY HALL O chefe do governo reconheceu que teve de tomar "decisões muito difíceis" diante de um vírus que causou um número de mortes "extraordinariamente elevado"

O presidente da Espanha, Pedro Sánchez, pediu, neste domingo (11), um grande acordo nacional para reativar a economia após a pandemia do coronavírus. O país já registrou 166.019 casos confirmados e 16.972 mortes pelo novo vírus.

“Precisamos de um grande acordo para a reconstrução social e econômica do país”. Sánchez declarou que o povo espanhol vive “a maior crise da nossa vida” e a maior ameaça “em um século”, razão pela qual insistiu que “a resposta deve ser unida” entre partidos políticos, regiões, grupos empresariais e sindicatos.

O político socialista pediu uma “redução da tensão política” por parte da oposição e adiantou que nesta semana convocará uma reunião para estabelecer as bases do um grande acordo nacional.

O chefe do governo reconheceu que teve de tomar “decisões muito difíceis” diante de um vírus que causou um número de mortes “extraordinariamente elevado”, mas comentou que o país está imerso em uma “guerra total que envolve todos”.

De acordo com Sánchez, o governo garantirá a proteção e a segurança dos trabalhadores que voltarão ao trabalho nesta segunda-feira (13). Serão distribuídas até 10 milhões de máscaras entre os cidadãos. O presidente insistiu ainda que pessoas que pertencem ao grupo de risco não retomem o trabalho.

Pedro Sánchez enfatizou que a abertura econômica parcial não significa uma redução das medidas de restrições. “O confinamento geral será a regra nas próximas duas semanas. Devemos evitar uma recaída”, disse o governante sobre a taxa de novas infecções, que atualmente estão aumentando a um ritmo de 3% por dia, chegando a 38% por dia nos piores casos.

*Com informações da EFE