Rebelião em prisão de Acapulco deixa 28 mortos no México

  • Por EFE
  • 06/07/2017 21h25 - Atualizado em 06/07/2017 21h26
Presídio no Estado de Guerrero, no México, tem capacidade para até 2 mil detentos

Pelo menos 28 detentos morreram e outros três ficaram feridos em um confronto de duas organizações criminosas rivais ocorrido nesta quinta-feira em uma penitenciária na cidade de Acapulco, no México, informou o porta-voz da Secretaria de Segurança do estado de Guerrero, Roberto Álvarez Herédia.

“A retirada dos corpos foi feita nas áreas do módulo de segurança do corredor do bloco 1, dentro e fora da cozinha”, explicou o porta-voz.

Ainda de acordo com ele, havia cadáveres no pátio do bloco 3 e na área de visitas conjugais. Álvarez Herédia atribuiu o confronto à “disputa permanente que existe entre grupos contrários dentro do presídio”.

O porta-voz disse que, ao tomar conhecimento dos distúrbios, que começaram por volta das 4h (hora local; 6h de Brasília), o governador de Guerrero, Héctor Astudillo, iniciou uma operação para retomar o controle do centro penitenciário.

“Os agentes tomaram o controle de todas as áreas e módulos e, com apoio da Polícia Federal e da Secretaria da Defesa Nacional, foi garantida a segurança no perímetro externo”, explicou.

“(O governador) ordenou que os fatos sejam investigados a fundo e que todo o peso da lei seja aplicado contra os responsáveis pelos diversos crimes”, apontou Álvarez Herédia.

Nos últimos 8 anos, houve um total de 347 mortes em brigas generalizadas nas penitenciárias do México. O caso mais grave ocorreu em 11 de fevereiro de 2016, quando 60 detentos morreram em um motim no presídio de Topo Chico, na região metropolitana da cidade de Monterrey.