Reino Unido detecta mais 11 casos da varíola dos macacos; 2 deles podem ser de transmissão local

Médica-chefe da agência Agência de Segurança da Saúde do país diz que população deve ficar alerta; doença se concentra em áreas urbanas, entre homens homossexuais, bissexuais e HSH

  • Por Jovem Pan
  • 22/05/2022 12h30
CDC/Brian W.J. Mahy/Divulgação via REUTERS Varíola dos macacos Varíola dos macacos já está presente em mais de 20 países

Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido (UKHSA) detectou 11 novos casos da varíola dos macacos no país neste domingo, 22. Dois deles são investigados sob a possibilidade de transmissão comunitária, que não veio de fora do país. “Estamos encontrando casos que não têm contato identificado com um indivíduo da África Ocidental, que é o que vimos anteriormente neste país”, afirmou Susan Hopkins, médica-chefe da agência. “Estamos detectando mais casos diariamente”, acrescentou a especialista, em entrevista à emissora BBC.

A médica-chefe se negou a confirmar a informação de que uma pessoa estaria em terapia intensiva, mas disse que o surto da doença se concentra em áreas urbanas, entre homens homossexuais, bissexuais e homens que fazem sexo com homens (HSH). “O risco para a população em geral continua sendo extremamente baixo neste momento, mas acho que as pessoas têm de estar alertas”, disse Hopkins. Segundo ela, para a maioria dos adultos, os sintomas seriam “relativamente leves”. De acordo com a UKHSA, o total de casos registrados até o momento serão divulgados na próxima segunda-feira, 23. Na última sexta, 20, um boletim relatava a ocorrência de 20 casos. O Reino Unido deu o alarme em 7 de maio, com uma pessoa que havia estado na Nigéria recentemente.

No site oficial do governo britânico, a agência informa que 2 casos dentre os confirmados com a doença não possuem ligações de viagem para um país onde a varíola dos macacos é endêmica e que, por isso, é possível que tenham adquirido a infecção por transmissão comunitária. A possibilidade está sendo investigada. O vírus causador da varíola dos macacos se espalha por meio de gotículas de saliva em contato próximo, fluídos corporais e de mãe para filho. As autoridades sanitárias alertas sobre quaisquer erupções ou lesões incomuns em qualquer parte do corpo, especialmente na genitália, e pedem para que as pessoas entrem em contato com um serviço de saúde sexual.