Ruanda exumou mais de 18 mil corpos de vítimas de genocídio desde abril

  • Por Jovem Pan
  • 19/09/2018 09h14
Creative Commons Até agora, foram extraídos 18.529 corpos vítimas de genocídio em Ruanda

O número de corpos recuperados de valas comuns durante o genocídio de 1994 em Ruanda já ultrapassou os 18 mil nos últimos cinco meses, de acordo com a federação de associações de sobreviventes Ibuka.

O programa de busca em valas comuns e de exumações começou em 11 de abril depois que um acusado de participar do genocídio revelou a localização das fossas. Até agora, foram extraídos 18.529 corpos, explicou por telefone à Agência Efe um responsável da Ibuka, Theogene Kabagambire.

Durante este período, foram descobertas 41 valas comuns na zona da capital, Kigali, distribuídas nos distritos de Rusororo e Gasabo.

“Na cidade de Kabeza, do setor de Rusororo, foram demolidas três casas depois das pistas recebidas. Encontramos vinte valas comuns sobre as quais as casas tinham sido construídas. Debaixo de uma, havia oito fossas, enquanto as outras estavam sobre sete e cinco, respectivamente”, revelou Kabagambire.

Segundo as informações recebidas, a Ibuka esperava encontrar entre 15 mil e 25 mil vítimas.

“Todas as pessoas que nos deram informações sobre a existência das valas comuns tinham razão, menos uma”, apontou o dirigente da associação.

A descoberta destes milhares de corpos, segundo esta organização, é um “revés” para as iniciativas que buscavam unir os ruandeses, já que, apesar das fossas encontradas em zonas residenciais, as pessoas não revelaram essa informação por 24 anos.

O massacre de 1994 causou o extermínio de entre 20% e 40% da população de Ruanda, até então o país mais densamente habitado da África, com sete milhões de habitantes.

70% das vítimas mortais foram tutsis, assassinados por extremistas hutus após a morte do presidente ruandês, Juvenal Habyarimana, quando o avião no qual viajava foi derrubado o 6 de abril de 1994 pouco antes de aterrissar no aeroporto de Kigali.

O assassinato de Habyarimana (da etnia hutu, majoritária em Ruanda), morto junto ao presidente de Burundi, Cyprien Ntaryamira, que o acompanhava, deu início ao massacre coletivo iniciado por hutus radicais e ainda hoje continua sendo um mistério.

*Com informações de Agência EFE