Rússia começa vacinação contra Covid-19 com imunizante ainda em testes

Doses da Sputnik V estão sendo aplicadas nos residentes de um hospital em Moscou; a vacina foi registrada no país em setembro apesar dos ensaios clínicos não terem sido concluídos

  • Por Jovem Pan
  • 30/11/2020 15h56 - Atualizado em 30/11/2020 17h04
EFE/EPA/SERGEI ILNITSKY/ArchivoSegundo o governo russo, a Sputnik V demonstrou eficácia acima de 95% contra a Covid-19

Nesta segunda-feira, 30, a Rússia anunciou que já começou a vacinar a sua população contra a Covid-19. O imunizante que está sendo utilizado é o Sputnik V, que foi registrado no país em setembro sem que os seus ensaios clínicos tivessem sido concluídos. O primeiro lote das vacinas foi destinado ao Hospital Central de Domodedovo, em Moscou, que começou a aplicá-las na semana passada em residentes. Segundo a agência de notícias Reuters, o site do hospital confirma a informação, pedindo que os funcionários interessados em receber a dose se registrem em uma plataforma do governo e apresentem teste negativo para o novo coronavírus. Dados levantados pelo governo russo indicam que o país registrou 26.338 novos casos de Covid-19 só nas últimas 24 horas.

Na última terça-feira, 24, a Rússia divulgou que a Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, tem eficácia acima de 95% contra a Covid-19. Os resultados preliminares teriam sido confirmados 21 dias após a aplicação da segunda dose da vacina e 42 dias após a primeira dose. Apesar dos números positivos, esses dados ainda não foram detalhados ou publicados em revistas científicas. A fórmula foi a primeira vacina contra o coronavírus a ser registrada no mundo, sendo que em outubro a Rússia pediu a aprovação da Organização Mundial de Saúde (OMS) para que ela fosse utilizada para uso emergencial. No entanto, o governo russo é acusado por cientistas por não ser transparente quanto aos testes.

*Com informações de agências internacionais