Secretariado da OEA apoia decisão do Mercosul de suspender a Venezuela

  • Por Jovem Pan
  • 06/08/2017 16h18
VEN106. CARACAS (VENEZUELA), 01/05/2017 - Fotografía cedida por la oficina prensa del Palacio de Miraflores, del presidente de Venezuela, Nicolás Maduro, muestra el documento del decreto que da vía a un proceso constituyente hoy, lunes 1 de mayo de 2017, en Caracas (Venezuela). Maduro convocó hoy a iniciar un proceso para modificar la Carta Magna, un movimiento que la oposición ha calificado de golpe de Estado y por el que ha llamado a los venezolanos a "rebelarse" para evitar la disolución de la república.En Venezuela se realizaron hoy marchas a favor y en contra del Gobierno en el marco del Día Internacional del Trabajador y Maduro aprovechó su tarima, cuando se cumple un mes de protestas antigubernamentales, para convocar a una Asamblea Nacional Constituyente que pidió que sea conformada por la clase obrera, comunal y popular, y que será elegida por el voto. EFE/PRENSA MIRAFLORES/SOLO USO EDITORIAL/NO VENTASO presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, defendeu a permanência do país no Mercosul e criticou a posição de diversos líderes na América Latina

O secretariado geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) expressou hoje apoio à decisão de suspender a Venezuela do Mercosul, de acordo com a “cláusula democrática do Protocolo de Ushuaia”.

“Democracia e direitos humanos são princípios inalienáveis nas Américas, e a sua defesa e fomento são valores fundamentais para a comunidade de Estados que fazem parte da OEA”, diz o secretariado em um comunicado.

A declaração ainda afirma que a decisão adotada ontem pelos governos do Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai “é uma afirmação exemplar em defesa dos princípios que unem nossos países e transmite uma mensagem de esperança e apoio aos venezuelanos que lutam por direitos e liberdade”.

O secretariado ainda reiterou seu pedido para o fim da repressão no país, o estabelecimento imediato de uma calendário eleitoral que inclua eleições presidenciais em 2017, a abertura de um canal para assistência humanitária, a restauração de plenos poderes da Assembleia Nacional, a libertação de prisioneiros políticos, a anulação de todas as atividades da “fraudulenta assembleia nacional constituinte, e o respeito inequívoco pelas instituições democráticas do Estado”.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, defendeu a permanência do país no Mercosul e criticou a posição de diversos líderes na América Latina, que estariam lutando contra governos populares. A crítica foi feita principalmente para os presidentes da Argentina, Mauricio Macri, e do Brasil, Michel Temer.

“Ninguém vai nos tirar Mercosul e adotar medidas ilegais como as que estão sendo tomadas”, disse ele à Radio Rebeld, emissora argentina. A entrevista, entretanto, foi gravada antes do bloco anunciar sua decisão de expulsar o país.

O presidente Michel Temer divulgou, em sua conta no Twitter, um vídeo sobre a suspensão da Venezuela pelo Mercosul e disse que o país será recebido “de braços abertos” pelo bloco quando estiver de volta à democracia. “Nossa mensagem é inequívoca, não há mais espaço para alternativas não democráticas na América do Sul”, afirmou. (Matheus Maderal – matheus.maderal@estadao.com)