Talibã toma capital do Afeganistão após presidente deixar país

Grupo fundamentalista tinha afirmado que esperaria formação de governo de transição, mas mudou de ideia afirmando que precisava ‘manter a ordem pública’ em Cabul, voltando a comandar a cidade após 20 anos

  • Por Jovem Pan
  • 15/08/2021 13h54 - Atualizado em 15/08/2021 13h55
EFE/EPA/STRINGER Forças do Talibã tomaram cidade de Cabul após saída do presidente do país

Combatentes do grupo fundamentalista islâmico Talibã assumiram o controle da capital afegã Cabul no fim do dia deste domingo, 15, enquanto o presidente Ashraf Ghani deixava o país. Embora os insurgentes tenham falado inicialmente que não entrariam na cidade antes que um governo de transição fosse formado, eles mudaram de ideia ao anoitecer, justificando que era preciso manter a ordem pública após a polícia afegã ter abandonado seus postos. “Para evitar o caos e os saques, o Emirado Islâmico ordenou aos mujahedeen que assumam o controle das áreas abandonadas”, disse o Talibã em comunicado, acrescentando que seus combatentes não atacarão nenhum oficial civil ou militar do antigo regime.

As forças de segurança afegãs não ofereceram qualquer resistência enquanto os insurgentes, que tomaram a maior parte do país em apenas uma semana, apareceram na manhã deste domingo nos arredores de Cabul. No fim da manhã, os postos de controle tinham sido abandonados por tropas afegãs, enquanto moradores em pânico congestionavam as ruas. Também pela manhã, o presidente Ghani fugiu do palácio presidencial e ficou na Embaixada dos Estados Unidos, deixando a capital rumo ao Tajiquistão no fim do dia. O grupo iniciou a ocupação deste domingo assumindo o controle da principal prisão de Pul-e-Charkhi em Cabul e libertando milhares de presos. Vídeos mostrando o momento foram publicados nas redes. À noite, na estrada principal para o aeroporto de Cabul – repleta de afegãos e milhares de soldados norte-americanos tentando garantir a retirada da cidade – era possível ver a curiosa cena de combatentes fundamentalistas misturados a tropas afegãs uniformizadas.

*Com informações do Estadão Conteúdo