TikTok classifica proibição dos EUA como ‘inconstitucional’ e diz que vai recorrer contra decisão de Biden

Presidente norte-americano assinou um projeto de lei que proíbe rede social no país, a menos que a empresa-mãe ByteDance, gigante chinesa do entretenimento, venda o app em 12 meses

  • Por Jovem Pan
  • 24/04/2024 19h11
Bo Amstrup / Ritzau Scanpix / AFP tiktok estados unidos e china TikTok entrou na briga por espaço entre as redes sociais de texto

Após os Estados Unidos aprovarem uma lei que pode proibir o uso do TikTok no país, e empresa chinesa emitiu uma nota e disse que vai recorrer e classificou a decisão como inconstitucional. O TikTok alertou que a proibição “devastaria sete milhões de empresas e silenciaria 170 milhões de americanos”, e acusou a decisão de ser injusta, porque a empresa afirma investir bilhões de dólares para manter os dados de americanos seguros e a plataforma livre de manipulações externas. A plataforma também enfrenta escrutínio no outro lado do Atlântico, na União Europeia, depois de ter lançado um programa de recompensas que foi acusado pela Comissão Europeia de causar dependência. Após a repercussão, o TikTok informou que vai suspender as funções de recompensa no TikTok Lite.

cta_logo_jp
Siga o canal da Jovem Pan News e receba as principais notícias no seu WhatsApp!

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assinou nesta quarta-feira (24) um projeto de lei que proíbe o TikTok no país, a menos que a empresa proprietária ByteDance se desfaça do aplicativo em nove meses. A medida foi aprovada pelo Congresso na terça-feira (23). O TikTok é muito popular entre os jovens norte-americanos, um grupo crucial para Biden nas eleições de novembro contra Donald Trump. Além disso, o projeto de lei dá ao presidente dos EUA o poder de classificar outros aplicativos como ameaças à segurança nacional, caso sejam de países considerados hostis.

O projeto de lei impede a empresa de controlar o ingrediente secreto do TikTok: o algoritmo que alimenta os vídeos dos usuários com base em seus interesses e que transformou a plataforma em um fenômeno de definição de tendências. A medida – que tem amplo apoio bipartidário – representa a ameaça mais significativa até o momento às operações do aplicativo nos Estados Unidos, onde ele tem mais de 170 milhões de usuários e se tornou uma potência econômica e cultural. Os legisladores que pressionam pela restrição citaram preocupações de que a estrutura de propriedade da empresa poderia permitir que o governo chinês obtivesse acesso aos dados dos americanos, alegações que o TikTok contesta.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Conteúdo para assinantes. Assine JP Premium.