Tripulante de navio no Japão é o 1º caso de cidadão português com coronavírus

O homem, identificado como Adriano Maranhão, trabalha na tripulação do navio Diamond Princess, atracado no porto de Yokohama, no Japão, para quarentena

  • Por Jovem Pan
  • 23/02/2020 15h54
EFEO cruzeiro Diamond Princess está atracado no porto de Yokohama, no Japão.

As autoridades de Portugal confirmaram neste domingo (23) o primeiro caso de um cidadão português infectado com o coronavírus Covid-19, um homem de 41 anos que trabalha como tripulante no navio Diamond Princess, atracado ao sul de Tóquio.

O caso foi testado pelas autoridades de saúde japonesa”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores em comunicado enviado à Agência Lusa.

O homem, identificado como Adriano Maranhão, trabalhou como membro da tripulação no Diamond Princess, atualmente atracado em Yokohama para quarentena e onde foram relatados mais de 600 casos de coronavírus.

Mesmo em isolamento no navio, Maranhão conversou com a mídia portuguesa e criticou a maneira como a situação está sendo gerenciada no cruzeiro.

“Eles me deram a informação [que eu estava infectado], pediram para eu arrumar minhas malas, porque eu ia sair do navio, eu teria que pegar minhas coisas e entrar em contato com a embaixada e a empresa, porque quando eu saí do navio, o navio não tinha mais responsabilidade por mim. Eu estava incrédulo”, disse ele à emissora TSF.

Ele também questionou o uso de máscaras e luvas. “A máscara só foi obrigatória dois ou três dias após o início da quarentena. Depois não. Os chefes nos proibiram de usar a máscara, pois apenas os médicos podiam autorizá-la. Depois de alguns dias, disseram que éramos obrigados a usar uma máscara. Depois de talvez dois dias eles nos disseram que tínhamos que usar luvas”, revelou.

“O processo foi muito lento e nem usamos as proteções apropriadas”, concluiu o português, confessando estar “chateado” por ser sido forçado a trabalhar para passageiros durante o período de quarentena, embora se suspeitasse que eles pudessem ter o vírus.

Desde o início da disseminação do coronavírus, 12 casos suspeitos foram registrados em Portugal, que após serem analisados, deram negativo para o vírus.

*Com informações da EFE