Trump cancela proteção de 200.000 liberianos e ordena que deixem EUA em 1 ano

  • Por EFE
  • 28/03/2018 08h19
EFE/ Jim Lo ScalzoNa sua comunicação presidencial, Trump acrescentou que os liberianos têm agora 12 meses para deixar os EUA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, derrubou nesta terça-feira a Proteção Diferida de Saída Forçada (DED, na sigla em inglês) de 200.000 cidadãos da Libéria e lhes deu um anopara deixar o país ou regularizar sua situação migratória.

Em 1991 o ex-presidente democrata Bill Clinton outorgou aos liberianos um Status de Proteção Temporário (TPS) devido à guerra civil que assolava seu país (1989-1997) e de novo em 1999, quando houve um novo foco do conflito nesse país do leste da África.

Por sua vez, em outubro de 2007, o ex-presidente George W. Bush transformou o TPS em DED, proteção que vinha sendo prorrogada até agora.

“Através de consultas com os departamentos e agências executivas apropriadas e meus assessores, fui informado que as condições na Libéria melhoraram. A Libéria já não está experimentando um conflito armado e alcançou avanços significativos no restabelecimento da estabilidade e da governança democrática”, afirmou Trump em um memorando presidencial.

Deste modo, Trump decidiu cancelar hoje uma permissão que o ex-presidente Barack Obama tinha renovado em 2016 e que vence no próximo dia 31 de março.

Na sua comunicação presidencial, Trump acrescentou que os liberianos têm agora 12 meses para deixar os EUA, um período que considerou “apropriado” também ao governo da Libéria para reabsorver os cidadãos que retornem ao seu país de origem.

Esta esperada medida vinha sendo criticada nas últimas semanas por várias organizações defensoras dos direitos civis.

Além disso, mais de 50 congressistas enviaram nesta segunda-feira uma carta a Trump para pressionar-lhe e tentar, sem sucesso, que mudasse de ideia.

“Escrevemos para pedir-lhe encarecidamente que estenda por pelo menos três anos o DED para os liberianos que residem legalmente nos Estados Unidos. Pedimos que atue imediatamente para evitar a ansiedade e a incerteza nas nossas comunidades liberiano-americanas”, solicitaram os congressistas.

Em janeiro, o governo Trump retirou o Status de Proteção Temporária de quase 200.000 salvadorenhos, enquanto que em meses anteriores fez o mesmo com o dos cidadãos do Haiti, que beneficiava quase 60.000 pessoas, e os da Nicarágua, ao qual estavam acolhidos 5.000 nicaraguenses.