Trump usa máscara em público pela primeira vez

Estados Unidos lideram os números de casos e óbitos pela Covid-19 no mundo: 3.356.242 e 137.414, respectivamente

  • Por Jovem Pan
  • 12/07/2020 08h53
EFE/CHRIS KLEPONIS/POOLA pandemia vem afetando a campanha pela reeleição de Trump: 67% rejeitam as suas ações, enquanto 33% aprovam

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, usou uma máscara em público pela primeira vez neste sábado, 11, durante visita a militares feridos no hospital Walter Reed, localizado nos arredores de Washington. Desde o início da pandemia no país, Trump nunca havia aparecido com o Equipamento de Proteção Individual.

Os Estados Unidos lideram os números de casos e óbitos pela Covid-19 no mundo: 3.356.242 e 137.414, respectivamente. Ontem, a Organização Mundial da Saúde afirmou que o país concentra um quarto das infecções em todo o mundo. Nesta sexta-feira, foi registrado mais um recorde de contaminações diárias nos EUA: 64 mil. A situação é mais grave na Flórida, Texas, Arizona e Califórnia.

Frente a esses dados, Trump está sendo pressionado a utilizar a máscara. O item é obrigatório somente em 19 dos 50 estados norte-americanos, incluindo Califórnia, Nova York e a capital Washington.

Reeleição de Trump

A pandemia vem afetando a campanha pela reeleição de Trump. Segundo pesquisa da ABC News e do instituto Ipsos, dois terços dos americanos desaprovam a resposta do presidente à crise — 67% rejeitam as ações de Trump, enquanto 33% aprovam. Para a Casa Branca, o mais preocupante das últimas sondagens é que a popularidade do presidente vem caindo entre eleitores independentes e republicanos.

A seis semanas da convenção republicana, que marca a oficialização do nome de Trump como candidato do partido, os estrategistas do presidente enfrentam uma série de obstáculos na organização do evento, que deveria ser o ponto alto da campanha.

Alguns aliados reclamam que ainda não há uma estratégia definida para enfrentar o democrata Joe Biden. Outros apontam para problemas mais graves, como o fato de a cidade de Jacksonville, sede da convenção, estar localizada na Flórida, epicentro das contaminações nos EUA. Até agora, pelo menos seis senadores republicanos já disseram que não comparecerão ao evento, que corre o risco de ser esvaziado.