Ucrânia anuncia conquistas no campo de batalha e restringe gás russo para a Europa

Forças ucranianas conseguiram recuperar quatro vilarejos em Kharkiv e estão afastando o exército de Putin da segunda maior cidade do país

  • Por Jovem Pan
  • 11/05/2022 12h59 - Atualizado em 11/05/2022 13h09
Anatolii Stepanov / AFP conquistas ucranianas Militares ucranianos andam em um veículo blindado de transporte de pessoal em uma estrada perto da vila de Petrivske, na região de Kharkiv

A Ucrânia relatou nesta quarta-feira, 11, ganhos no campo de batalha. Após dias de avanços, as forças ucranianas estavam a vários quilômetros da fronteira russa na região de Kharkiv e pareciam estar no controle da vila de Rubizhne, às margens do rio Donets, após o que parecem ser os avanços mais rápidos desde abril, quando o país empurrou as forças russas de Kiev e do norte do país. A 92ª Brigada Mecanizada confirmou que recapturou quatro vilarejos ao norte de Kharkiv, fazendo com que as forças russas fossem para mais perto da fronteira. O gabinete do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que as tropas de Vladimir Putin estão sendo gradualmente expulsas de Kharkiv, embora Kiev tenha confirmado até agora poucos detalhes do avanço pela região. “Está queimado, assim como todos os tanques russos”, disse um soldado ucraniano do lado de fora do vilarejo próximo às ruínas de um tanque russo. “As armas estão ajudando muito, as antitanques”, acrescentou. O Ocidente tem enviado armas para que o país possa se defender dos ataques da Rússia.

O presidente Zelensky, também se posicionou sobre essa conquista. Ele disse que esse avanço está colocando a segunda maior cidade ucraniana – que está sendo atacada desde os primeiros dias da guerra – além do alcance da artilharia russa, mas ele alertou os ucranianos para não aumentarem as expectativas ainda. “Não devemos criar uma atmosfera de pressão moral excessiva, onde as vitórias são esperadas semanalmente e até diariamente”, disse ele em um discurso em vídeo durante a noite. “O inimigo está tentando impedir que nossas tropas se aproximem da fronteira na região de Kharkiv”, disse o chefe de Estado, sem fornecer detalhes. Os russos também não falaram muito sobre os combates na região.

Outro fator que mostra um avanço ucraniano, é o fato de Kiev ter fechado o fluxo de gás em uma rota através de um território controlado pela Rússia. A ação separada da Ucrânia para cortar o fornecimento de gás russo através do território controlado por separatistas apoiados pela Rússia, foi uma das primeiras vezes em que os embarques de gás para a Europa foram diretamente afetados pelo conflito. Essa interrupção alimenta os temores de que a invasão russa pode agravar a crise energética na Europa e que a invasão da Ucrânia pela Rússia possa elevar ainda mais os preços. A União Europeia se prepara para deixar de ser dependente do gás russo até o final do ano, entretanto, países como a Hungria vão ter mais tempo para deixarem de consumir. 

Os fluxos de gás da empresa que detém o monopólio russo de exportação para a Europa via Ucrânia, a Gazprom, caíram um quarto depois que Kiev disse que foi forçada a interromper todos os fluxos do ponto de trânsito de Sokhranovka, no sul da Rússia, porque separatistas apoiados pela Rússia estavam desviando suprimentos. Se o corte de fornecimento persistir, seria o impacto mais direto até agora nos mercados de energia europeus da guerra que o Kremlin chama de “operação militar especial”. A operadora ucraniana de gasodutos, GTSOU, prometeu redirecionar temporariamente todos os suprimentos para outro ponto de passagem no norte, Sudzha, para “cumprir plenamente suas obrigações de trânsito com os sócios europeus”. Os números divulgados pela GTSOU mostraram que o fluxo através de Sokhranivka caiu para zero. 

*Com informações da Reuters