Ucrânia bombardeia navio russo e tripulação é evacuada após incêndio

Perda do cruzador de mísseis da era soviética Moskva representa forte golpe para as forças armadas de Vladimir Putin

  • Por Jovem Pan
  • 14/04/2022 05h44
Max DELANY / AFP cruzador de mísseis russo Moskva Foto de arquivo tirada em 17 de dezembro de 2015 do cruzador de mísseis russo Moskva em patrulha no Mar Mediterrâneo

O carro-chefe da frota russa no Mar Negro, um cruzador de mísseis Moskva, foi seriamente danificado após um bombardeio da Ucrânia nesta quinta-feira, 13. A perda do cruzador de mísseis da era soviética Moskva seria um golpe para as forças armadas da Rússia – no 50º dia da guerra – enquanto se prepara para um novo ataque na região leste de Donbas que provavelmente definirá o resultado do conflito. Os russos informaram que a tripulação da embarcação foi obrigada a evacuar após o ataque. A cidade de Mariupol, que vem sendo atacada intensamente desde o início do conflito no Leste Europeu, dá acesso ao Mar Negro pelo seu porto. O Ministério da Defesa da Rússia afirma que vários militares ucranianos se renderam na localização.

O Ministério da Defesa da Rússia disse que um incêndio no Moskva causou a explosão de munição, informou a agência de notícias Interfax, sem dizer o que causou o incêndio. Maksym Marchenko, governador ucraniano da região ao redor do porto de Odesa, no Mar Negro, afirmou que o Moskva foi atingido por dois mísseis de cruzeiro antinavio Neptune de fabricação ucraniana. “Mísseis Netuno protegendo o Mar Negro causaram danos muito sérios”, disse ele em um publicação nas redes sociais.

O assessor presidencial ucraniano, Oleksiy Arestovych, disse que o navio poderia ter até 510 tripulantes a bordo e que não foi possível um resgate. No Telegram, o governador de Odessa ‘comemorou’. “Foi confirmado que o cruzador de mísseis Moskva hoje foi exatamente para onde foi enviado por nossos guardas de fronteira na Ilha da Cobra”, escreveu Maksym Marchenko, fazendo referência ao incidente do dia 24 de fevereiro, quando um cruzador atacou a Ilha da Cobra que tinha alguns soldados ucranianos, feitos reféns.