Vladimir Putin celebra a ‘libertação’ de Mariupol e ordena cerco a últimos combatentes

Presidente russo descartou ataques à fábrica de Azovstal, pois provaria muitas mortes; atualmente, quase 2 mil militares da Ucrânia permanecem nas instalações industriais

  • Por Jovem Pan
  • 21/04/2022 07h21
Mikhail Tereshchenko / Sputnik / AFP Vladimir Putin Putin indicou que prefere cercar os últimos combatentes ucranianos na fábrica de Azovstal, porque um ataque provocaria muitas mortes

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou nesta quinta-feira, 21, que o Exército do país conseguiu tomar, “com sucesso”, o controle da cidade portuária de Mariupol. Ele também ordenou o cerco aos últimos combatentes entrincheirados na fábrica de Azovstal, mas sem um ataque. “O fim do trabalho de libertação de Mariupol é um sucesso”, declarou Putin ao ministro da Defesa, Serguei Shoigu. O mandatário russo também indicou que prefere cercar os últimos combatentes ucranianos na fábrica de Azovstal, porque um ataque provocaria muitas mortes. “Considero que o ataque proposto na zona industrial não é apropriado. Ordeno o cancelamento. “Precisamos pensar (…) na vida de nossos soldados e oficiais. Não há necessidade de entrar nestas catacumbas e rastejar no subsolo através das instalações industriais. Bloqueiem toda a área industrial para que nem mesmo uma mosca possa escapar”, disse o presidente. Atualmente, quase 2 mil militares da Ucrânia permanecem nas instalações industriais, segundo o Ministério da Defesa da Rússia. Mais uma vez, Putin propôs salvar a vida dos que se renderem. “Proponham mais uma vez a todos aqueles que não entregaram as armas que o façam, o lado russo garante a vidas e que serão tratados com dignidade”, afirmou.

*Com informações da AFP