Voluntário recebe 1ª dose de candidata à vacina inglesa contra a Covid-19

A substância em teste já passou pelas etapas pré-clínicas, consideradas como protocolos de segurança, e pelos estudos com animais

  • Por Jovem Pan
  • 23/06/2020 17h25
EFE/EPA/HOTLI SIMANJUNTAKO processo de pesquisa e desenvolvimento de uma nova vacina é constituído de diversas etapas

O primeiro voluntário da candidata à vacina contra a Covid-19 do Imperial College of London recebeu nesta terça-feira, 23, a primeira dose da imunização. Uma segunda deve ser aplicada no mesmo paciente dentro de quatro semanas, e outras 300 pessoas também devem receber a primeira dose nos próximos dias.

A substância em teste já passou pelas etapas pré-clínicas, consideradas como protocolos de segurança, e pelos estudos com animais.

Nos dois casos, houve produção de resposta imune — ou seja, a criação de anticorpos — considerada segura pelos cientistas. “Atingimos um marco significativo neste estudo inovador, ao aplicarmos a primeira dose de uma vacina de RNA para Covid-19, diz Katrina Pollock, cientista-chefe da pesquisa.

O governo do Reino Unido já investiu 41 milhões de libras esterlinas na pesquisa do Imperial College of London em parceria com a VacEquity Global Health. Outras 5 milhões de libras foram doadas pela população e por instituições.

Fases

O processo de pesquisa e desenvolvimento de uma nova vacina é constituído de diversas etapas. A primeira corresponde à pesquisa básica e é onde novas propostas de imunização são identificadas. Já a segunda, é a realização dos testes pré-clínicos, para demonstrar a segurança e o potencial imunogênico da vacina. A terceira etapa são os ensaios clínicos, que é a mais longa e a mais cara do processo, onde são feitos os estudos de fase 1, fase 2, fase 3 e fase 4.

Ensaio pré-clínico: A vacina é administrada em animais como camundongos ou macacos para verificar se ela produz uma resposta imune.

Fase 1: Cientistas administram a vacina em um pequeno número de pessoas para testar a segurança e a dosagem, além de confirmar que ela estimula o sistema imunológico.

Fase 2: Cientistas administram a vacina a centenas de pessoas divididas em grupos, como crianças e idosos, para verificar se age de maneira diferente.

Fase 3: Os cientistas dão a vacina a milhares de pessoas e esperam para ver quantos são infectados, em comparação com os voluntários que receberam um placebo.

* Com informações do Estadão Conteúdo