“Não é a palavra final”, destaca Haddad sobre mudanças na Lei de Zoneamento

  • Por Jovem Pan
  • 03/06/2015 16h10
SÃO PAULO, SP, 27.03.2015: LGBT-SP - O prefeito de São Paulo (SP), Fernando Haddad, durante inauguração do Centro de Cidadania LGBT, no bairro da República, região central da cidade de São Paulo nesta sexta-feira, (27). (Foto: Fernando Nascimento/Folhapress)Prefeito de SP

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad disse que mudanças propostas nas áreas residenciais na nova Lei de Zoneamento não vão degradar os bairros. O projeto que foi enviado para a Câmara na tarde desta terça-feira (02) prevê a liberação de pontos comerciais nas chamadas Zonas Corredor em locais exclusivamente residenciais.

Entre as ruas que poderão ser afetadas estão a Estados Unidos, Groenlândia, Colômbia, Avenida Brasil, Alameda Gabriel Monteiro da Silva, entre outras. O prefeito Haddad acredita que é errada a visão de que alguém poderá sair derrotado da discussão sobre a legislação.

Ele negou que a permissão de pequenos pontos comerciais poderá abrir espaço para a construção de empreendimentos maiores.

“A lista é taxativa. Ela não é exemplificativa. ela diz exatamente o que pode, e é muito pouco, as pessoas precisam dar uma chance para fazer uma leitura atenta. É muito pouca coisa o que está sendo liberado, no sentido de não permitir uma degradação em horário não comercial. É muito comedido, foram passos muito bem pensados e que ainda serão discutidos pela Câmara. Não é a palavra final”, destacou.

Segundo o prefeito, a cidade tem 17 mil quilômetros de via e está sendo discutido um total de 17 quilômetros de via: “99,9% estão fora da discussão. Não podemos transformar 0,1% das vias numa questão que não permita a conciliação de perspectivas no sentido de requalificar a cidade”.

O prefeito disse ainda que compreende que na Câmara existam vereadores que representem somente 0,1% da cidade. Ele destacou que bons argumentos serão ouvidos durante a discussão e que não há arrogância em relação ao texto.