Noruega impede Breivik de enviar 220 cartas para criação de rede radical

  • Por Agencia EFE
  • 22/12/2014 14h50

Berlim, 22 dez (EFE).- As autoridades norueguesas impediram o envio de pelo menos 220 cartas a Anders Behring Breivik, autor dos atentados de 2011 nos quais matou 77 pessoas, porque considera que o ultradireitista tentava recrutar adeptos radicais.

A informação foi dada nesta segunda-feira pelo jornal “VG”, que cita documentos internos das autoridades penitenciárias norueguesas e que destaca que Breivik tentava enviar todas essas mensagens a destinatários aos quais não conhecia antes dos atentados.

Segundo o jornal, as autoridades temem que Breivik tente formar uma rede disposta a trabalhar por sua causa política, o radicalismo xenófobo e contra islamitas.

“Breivik não pretende fazer amizades comuns e saudáveis. Sua estratégia parece ser a de associar a quantos contatos seja possível”, diz o texto de uma resolução das autoridades penitenciárias datado de 5 de dezembro e ao qual teve acesso o “VG”.

O assassino, que confessou os crimes, mas não reconheceu a sentença, pretende se consolidar como “líder” de um movimento que aceita “a violência extrema e o terror” como instrumento, prossegue o documento.

O jornal norueguês explica, além disso, que Breivik recebe dezenas de cartas “de todo o mundo”, principalmente declarações de amor de mulheres, mas também declarações públicas de apoio por suas ideias políticas.

A defesa do ultradireitista, por sua vez, indicou que está preparando uma ação por causa do bloqueio para exigir que as cartas sejam examinadas uma a uma.

No verão de 2011, Breivik explodiu uma bomba no distrito governamental de Oslo e, em seguida, foi à ilha de Utoeya, onde abateu a tiros dezenas de pessoas do partido social-democrata, em sua maioria jovens. EFE