Novo ataque de rebeldes ugandenses no norte da RDC deixam 16 mortos

  • Por Agencia EFE
  • 09/12/2014 15h51

Kinshasa, 9 dez (EFE).- Pelo menos 16 pessoas morreram e sete ficaram feridas em um suposto ataque do grupo rebelde ugandense Frente Democrática Aliado (ADF) na província de Kivu do Norte, na República Democrática do Congo (RDC), confirmaram nesta terça-feira à Agência Efe fontes governamentais.

“Nossas tropas foram enviadas nas aldeiras afetadas e vamos pôr fim” a este incidente, explicou à Agência Efe o governador de Kivu do Norte, Julien Paluku, que acusou atores políticos congoleses de estar por trás da insegurança na região.

Este último ataque ocorreu na noite do domingo em duas aldeias próximas à cidade de Beni, somente um dia depois da morte de 36 pessoas em vários incidentes similares na conflituosa província de Kivu Norte.

Paluku, que confirmou que os agressores mataram pelo menos 16 pessoas, reconheceu que a maior parte da população das aldeias afetadas abandonou suas casas por medo de novos ataques.

Embora não os atacantes não tenham sido identificados, todas as suspeitas apontam de novo para os rebeldes ugandenses do ADF, que no último mês e meio foram acusados de matar mais de 200 pessoas na província.

Os rebeldes ugandenses organizam desde Kivu do Norte ataques para derrubar o governo de Uganda, presidido por Yoweri Museveni, no poder desde 1986.

O grupo ADF-NALU é uma das organizações armadas que seguem atuando no leste da RDC após a derrota em novembro, pelas mãos das Forças Armadas da República Democrática do Congo, do congolês Movimento 23 de Março (M23), que chegou a controlar parte da província.

A RDC está imersa em um frágil processo de paz após a segunda guerra civil do Congo (1998-2003), que envolveu vários países africanos, e tem desdobrados em seu território mais de 21 mil soldados da ONU. EFE