Novo massacre no leste da RDC deixa pelo menos 23 mortos

  • Por Agencia EFE
  • 14/05/2015 16h44

Kinshasa, 14 mai (EFE).- Pelo menos 23 pessoas morreram em um novo ataque nas proximidades da cidade de Beni, no leste da República Democrática do Congo (RDC), que nos últimos meses sofreu contínuos ataques de rebeldes ugandenses, informaram nesta quinta-feira à Agência Efe fontes governamentais.

O ataque aconteceu na noite de terça-feira em Mapiki e Sabu, duas aldeias na zona de Beni Mbau, situadas a 30 quilômetros de Beni, na conflituosa província de Kivu do Norte, confirmou em conversa telefônica o porta-voz do governo, Lambert Mende.

Este novo massacre em Beni, que nos últimos meses sofreu contínuos ataques do grupo rebelde de origem ugandense Forças Aliadas Democráticas (ADF, em inglês), foi perpetrado por homens armados com facões e machados.

Sete das vítimas morreram na aldeia de Mapiki e 15 em Sabu, informou o presidente da organização Sociedade Civil de Beni, Teddy Kataliko.

O administrador do território de Beni, Amisi Kalonda, confirmou este massacre, embora assegurou que até o momento só foram recuperados 10 corpos.

Kalonda chamou a população para fugir das zonas remotas e se aproximar de áreas sob o controle do Exército congolês.

Ontem, a ONU anunciou que tinha encontrado evidências que membros deste grupo rebelde ugandense cometeram crimes de guerra e contra a humanidade no território de Beni.

Esses crimes ocorreram nos três últimos meses de 2014 e causaram a morte de 237 civis, que foram assassinados em muitos casos de forma sistemática e extremamente brutal, segundo os investigadores das Nações Unidas.

O ADF iniciou sua campanha de violência em 1996 no distrito de Kasese, no oeste de Uganda, se expandiu pra várias zonas próximas à fronteira com a RDC.

Esta é uma das organizações armadas que seguem atuando na República Democrática do Congo após o desarmamento em novembro do grupo rebelde M23, que chegou a controlar boa parte da região. EFE