Novos documentos mostram possíveis novas represálias políticas em Nova Jersey

  • Por Agencia EFE
  • 13/01/2014 22h45

Nova York, 13 jan (EFE).- Novos documentos divulgados nesta segunda-feira por vários jornais mostram outras possíveis represálias políticas da administração do governador de Nova Jersey, Chris Christie, contra prefeitos, o que pode prejudicar suas aspirações presidenciais.

Christie, um republicano moderado, alcançou a reeleição nas eleições de novembro passado e sua campanha tentou conseguir o maior número possível de respaldos democratas para reforçar sua imagem bipartidária de cara às presidenciais de 2016.

Os documentos, segundo publicam o “Jersey Journal” e o “Wall Street Journal” em suas páginas de internet, indicam que uma série de reuniões entre altos cargos do governo estadual e o prefeito de Jersey City, o democrata Steven Fulop, foram canceladas em julho passado justo depois que o responsável municipal rejeitou apoiar a reeleição de Christie.

Esta revelação se une aos documentos divulgados na semana passada sobre o fechamento parcial da ponte mais transitada do mundo, a George Washington, como represália contra o prefeito de Fort Lee, o democrata Mark Sokolich, porque também não apoiou essa campanha.

Christie negou ter estado ciente dessa manobra e cassou sua chefe adjunta de gabinete, Bridget Anne Kelly, enquanto outros dois diretores da Autoridade Portuária de Nova York e Nova Jersey, Bill Baroni e David Wildstein, já haviam renunciado em dezembro.

Entre os documentos divulgados hoje pelo “Wall Street Journal” há uma mensagem de felicitação de Kelly a Fulop, que tinha sido eleito prefeito em maio em uma votação especial, a quem oferece toda a cooperação que necessite.

Dentro desse espírito de cooperação se programaram reuniões para os dias 23 e 29 de julho com cinco membros da comissão e responsáveis de agências estaduais, assim como com Baroni, subdiretor executivo da Autoridade Portuária.

No entanto, as reuniões foram canceladas por iniciativa do governo estadual entre os dia 18 e 22 de julho.

Cinco das seis entrevistas foram canceladas no transcurso de uma hora em 18 de julho, muito pouco depois que o prefeito Fulop respondeu de forma negativa ao pedido que apoiasse a campanha de reeleição de Christie.

Este não é o único problema que surgiu hoje para o escritório do governador já que as duas câmaras legislativas anunciaram a criação de comitês de investigação sobre o fechamento parcial da ponte George Washington durante quatro dias em setembro.

O presidente da comissão de Transportes e Obras Públicas da Assembleia legislativa, o democrata John Wisniewski, disse hoje que serão enviadas citações a Bridget Anne Kelly e a Bill Stepien, que dirigiu as campanhas de Christie e foi cassado também na semana passada por seu envolvimento no caso conhecido como “Bridgegate”. EFE