Obama pede a Netanyahu um cessar-fogo humanitário “incondicional” em Gaza

  • Por EFE
  • 27/07/2014 19h18
Ataques israelenses visando a túneis em Beit Lahiya EFE Ataques israelenses visando a túneis em Beit Lahiya

O presidente americano, Barack Obama, telefonou neste domingo para o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pedindo um “cessar-fogo humanitário imediato e incondicional” em Gaza, onde os mortos já passam de mil pessoas.

Em comunicado, a Casa Branca disse que o presidente Obama “deixou claro que é um imperativo estratégico instituir um cessar-fogo imediato e incondicional que dê fim às hostilidades e leve a um fim permanente das hostilidades”.

Embora o líder tenha reconhecido novamente o direito de Israel a se defender dos ataques de foguetes e através de túneis do Hamas, também lembrou que se deve permitir aos palestinos em Gaza “levar vidas normais e solucionar as necessidades de desenvolvimento econômico a longo prazo” da Faixa.

O movimento islamita Hamas e outras milícias em Gaza prometeram hoje aderir a um cessar-fogo humanitário durante 24 horas, mas se registraram disparos de até 25 foguetes em zonas do sul de Israel, o que levou o exército israelense a suspender a trégua.

O secretário de Estado de EUA, John Kerry, medeia junto com o Egito para que tanto Israel como o Hamas acordem um cessar-fogo permanente, para o qual o movimento islamita palestino pede o fim do bloqueio econômico à Faixa de Gaza.

Em sua conversa com Netanyahu, Obama reafirmou seu apoio ao Egito na mediação para obter a cessação da violência, que do lado palestino matou 147 pessoas, sendo a maioria civis.

Obama ressaltou a necessidade que no acordo se leve em conta as necessidades de segurança de Israel, a proteção de civis, mas também a importância de “aliviar a crise humanitária em Gaza” e dar aos palestinos oportunidades para o desenvolvimento econômico “ao tempo que se fortalece à Autoridade Nacional Palestina”.

“O presidente destacou a opinião dos Estados Unidos que com o tempo qualquer solução duradoura do conflito palestino-israelense deve garantir o desarmamento de grupos terroristas e a desmilitarização de Gaza”, informou a Casa Branca.