OEA pede reunião de emergência para tratar da crise na Venezuela

  • Por Estadão Conteúdo
  • 31/05/2016 13h08
Nicolás Maduro - EFE

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, convocou, nesta terça-feira (31), uma reunião de emergência para tratar da situação da Venezuela. O dirigente quer que os países membros avaliem se houve algum desrespeito à democracia no país, um voto que pode acabar com a suspensão da Venezuela pelo órgão.

De acordo com uruguaio, a Venezuela tem sofrido “graves alterações da ordem democrática”. Ele quer que o assunto seja avaliado nas próximas semanas. Caracas pode ser suspensa da organização caso dois terços de seus 34 membros entendam que o governo tem agido para debilitar a democracia.

Almagro e o presidente Nicolás Maduro colecionam uma série de atritos. Em maio, o venezuelano o acusou de ser um agente da CIA. Em resposta, o presidente da OEA escreveu uma carta aberta em que o acusou de “traidor”, “ditador” e de “roubar dinheiro publico”.

Hoje, o ministro das Comunicações venezuelano, Luis Jose Marcano, rebateu as acusações em um discurso televisionado, chamando o presidente da OEA de fantoche.

“A Venezuela está sob ataque das potências econômicas porque tem as maiores reservas de petróleo do mundo”, bradou.

Já o presidente Maduro sinalizou uma ruptura com a organização. “Vamos pedir um grande movimento para defender a paz e a independência contra o intervencionismo estrangeiro”.