OMS afirma que ainda não há transmissão sustentada do coronavírus

  • Por Agencia EFE
  • 02/06/2015 15h26

Genebra, 2 jun (EFE).- Apesar de 25 pessoas terem sido contagiadas na Coreia do Sul com a síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS-CoV), o novo coronavírus, a Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que ainda não é possível confirmar uma transmissão sustentada (transmitida de pessoa para pessoa, sem que uma delas tenha saído do país) do vírus.

“Ainda não podemos falar que haja um contágio sustentado. Sabemos que várias pessoas se contagiaram do caso índice (o primeiro a contrair o vírus), por estarem em contato próximo com ele, e que outras pessoas estiveram em contato com casos secundários e também se contagiaram”, explicou em entrevista coletiva Christian Lindmeier, porta-voz da OMS.

Segundo Lindmeier, os contágios secundários são mais difíceis e mais raros. Se fosse registrado um influxo de casos de terceiro nível (contagiados de casos secundários) então deveríamos ficar realmente preocupados”.

Questionado se há um número de contagiados a partir do qual será possível determinar que a transmissão de pessoa para pessoa é sustentada, Lindmeier negou e disse que estas decisões são tomadas levando em conta diversos aspectos, mas não os citou.

A OMS ainda não pôde determinar qual é a origem do MERS, embora todos os estudos indiquem que a fonte originária seriam os camelos.

O que acontece na Coreia do Sul, com 25 infectados que derivam de um original, já ocorreu em outros países. Desde que o vírus foi detectado em humanos pela primeira vez na Arábia Saudita, em 2012, a OMS registrou 1.161 casos confirmados em laboratório em 25 países do mundo, dos quais 436 morreram. Estes números incluem os sete novos infectados e os dois mortos recentemente na Coreia do Sul.

Lindmeier confirmou que os dois pacientes que morreram compartilharam quarto com o caso índice.

Este surto causou uma grande preocupação entre os cidadãos na Coreia do Sul, que decidiu fechar mais de 40 escolas e creches de regiões próximas ao hospital onde foi internado o caso índice, e colocaram em quarentena 682 das mais de 700 pessoas que estiveram em contato direto com os afetados. O caso índice retornou doente a seu país natal após visitar Catar e Bahreince

O coronavírus tem uma mortalidade entre 37% e 40% aproximadamente, segundo a OMS. No entanto, Lindmeier afirmou que esta taxa pode ser na realidade menor, visto que se sabe que há pacientes que são portadores do vírus, mas por não apresentarem sintomas não comparecem a um centro de saúde, então não são contabilizados.

O porta-voz lembrou que existe um Comitê de Emergência da OMS que acompanha a evolução do MERS, cuja última reunião foi em fevereiro, e por enquanto não há nenhum outro encontro programado. EFE