OMS confirma que vírus de pólio foi detectado em águas residuais em Campinas

  • Por Agencia EFE
  • 23/06/2014 17h32

Genebra, 23 jun (EFE).- A Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou nesta segunda-feira que as autoridades sanitárias do Brasil encontraram o vírus da pólio em amostras de águas residuais coletadas em março em Campinas, mas assegurou que não foi detectado nenhum caso em humanos.

A OMS considera que o risco de uma propagação do vírus no Brasil é “muito baixo”.

A amostra que deu positivo ao vírus selvagem do tipo 1 (WPV1) foi coletada nos arredores do aeroporto internacional de Viracopos.

A OMS afirmou que o vírus foi detectado unicamente nas águas residuais da região e que amostras recolhidas posteriormente no mesmo lugar deram negativo ou positivo unicamente em relação à cepa chamada “Sabin” ou a um enterovírus que não era de pólio.

A detecção do vírus da pólio aconteceu durante análises de rotina. A organização internacional, com sede em Genebra, ressaltou que não há transmissão do WPV1.

O que pode ser estabelecida é que a sequência genética do vírus detectado corresponde a uma cepa recentemente isolada de um caso de pólio na Guiné Equatorial.

Desde 1994, as amostras tomadas na zona do aeroporto de Viracopos tinham dado negativo.

A OMS lembrou que o continente americano está livre da cepa do WPV1 desde 1991 e o Brasil desde 1989.

As autoridades reforçaram a vigilância para detectar casos potenciais de paralisias por pólio em alguma pessoa não vacinada.

A cobertura de imunização no estado de São Paulo supera 95%. EFE